Doping de Rusedski coloca ATP em xeque

A ATP parece mesmo estar em maus lençóis para explicar o escândalo de doping denunciado pelo tenista Greg Rusedski. Em um comunicado oficial, enviado neste sábado, a Associação dos Tenistas Profissionais, admite que no período de agosto de 2002 a maio de 2003 diversos jogadores revelaram traços do esteróide nandrolona, todos provenientes de uma mesma fonte, possivelmente os suplementos e os eletrolíticos servidos aos jogadores durante as partidas e antes delas, pelos próprios fisioterapeutas da ATP.As investigações de doping, lideradas por Richard Young, do laboratório IOC de Montreal, no Canadá, revelam ainda que depois de maio de 2003, outros quatro jogadores continuaram apresentando a presença de esteróides, com a mesma característica, a marca analítica, o que significa dizer que vieram da mesma fonte. Mas apenas um destes atletas tinha níveis elevados.Rusedski ainda não foi oficialmente punido pelo resultado positivo de doping e sua pena deverá ser de um ano. Mas se define como inocente e culpa a ATP por ter servido estes produtos que teriam contaminado um total de 43 jogadores e nenhum deles teve seus nomes divulgados. O tenista canadense, naturalizado inglês, vai inclusive disputar o Aberto da Austrália, em Melbourne.

Agencia Estado,

10 de janeiro de 2004 | 12h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.