Eliminado, Federer diz ter criado 'monstro' ávido por títulos

Tenista faz sua autocrítica e afirma que precisa mudar sua forma para continuar no topo do tênis

Efe,

25 de janeiro de 2008 | 12h07

O suíço Roger Federer declarou, após ter perdido nas semifinais do Aberto da Austrália para o sérvio Novak Djokovic, que sentia que tinha criado "um monstro que necessita sempre vencer cada torneio", e que não sabia sequer se assistiria à final da competição, no domingo. Veja também: Djokovic surpreende e elimina Roger Federer na Austrália O tenista suíço fez uma autocrítica após ver interrompida sua seqüência de dez finais consecutivas de Grand Slam e de sofrer a derrota mais contundente desde que caiu diante de Gustavo Kuerten na terceira eliminatória de Roland Garros, em 2004. "Chegar às semifinais não é ruim, mas tenho que analisar e ver se terei de fazer mudanças para o próximo ano. Não joguei o melhor que posso durante o torneio, mas estive, sim, muito sólido, portanto, estou bem", comentou. Federer declarou que até hoje não tinha se sentido pressionado por ter se mantido imbatível durante quase quatro anos. "Não sei se fui colocado sob pressão ou não, mas não é fácil sair por aí a cada semana com a certeza de ter de ganhar. Durante muito tempo tive de conviver com diferentes seqüências de vitórias, mas hoje não senti uma pressão especial", disse. "Acho que ele ganhou seus pontos mais importantes, e que eu estive em uma noite infeliz. Nunca se pode jogar o máximo, mas não há dúvida de que já joguei melhor antes", admitiu o número um do mundo.

Tudo o que sabemos sobre:
ATPAberto da AustráliaRoger Federer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.