Peter Staples/ ATP Tour
Peter Staples/ ATP Tour

Em duelo de brasileiros, Melo supera Soares e estreia com vitória em Nova York

Ao lado do polonês Lukasz Kubot, tenista garantiu a vitória por 2 sets a 1

Redação, Estadao Conteudo

24 de agosto de 2020 | 20h58

Marcelo Melo e Bruno Soares retornaram ao circuito profissional, após cinco meses de paralisação causada pela pandemia, se enfrentando no Masters 1000 de Cincinnati, disputado este ano em Nova York. E Melo levou a melhor sobre o amigo. Ao lado do polonês Lukasz Kubot, ganhou de Soares e do croata Mate Pavic por 2 sets a 1, com parciais de 7/6 (7/4), 3/6 e 10/5, nesta segunda-feira.

Melo e Soares não disputavam uma partida oficial desde março. "Hoje foi uma bela estreia nossa. Acho que o jogo foi realmente muito bom. Tanto a nossa dupla como a do Bruno e do Pavic jogaram muito bem. E acabou indo para o match tie-break. Poder voltar assim em alto nível já desde o primeiro jogo deixa a gente muito feliz", comentou Melo.

Apesar da derrota, Soares saiu satisfeito de quadra. "Foi um bom jogo, considerando as nossas condições, de tanto tempo sem jogar e foi decidido nos detalhes. Perdemos no tie-break. Um foi no primeiro set, depois jogamos muito bem o segundo e no match tie-break eles sacaram muito bem e não deram muita chance pra gente", analisou o brasileiro.

Pelas oitavas de final, Melo e Kubot vão enfrentar agora os norte-americanos Steve Johnson e Austin Krajicek. Já Soares e Pavic seguem em Nova York em preparação para o US Open, que terá início no dia 31, próxima segunda-feira.

Melo e Soares jogaram pela primeira vez uma partida oficial desde que o circuito foi paralisado na metade de março e passou por seguidos adiamentos, com torneios cancelados e suspensos a cada semana. O circuito masculino voltou na quinta passada, com a disputa do qualifying do Masters 1000, no mesmo complexo onde costuma ser disputado o US Open.

Para a disputa do primeiro Grand Slam desde o retorno do tênis, as entidades mundiais do tênis criaram uma "bolha" em Nova York, com medidas restritivas aos tenistas e suas equipes e testagem constante para a covid-19.

"É um pouco estranha a sensação de jogar sem torcida, especialmente se tratando de um torneio tão grande, um Masters 1000. Mas a gente já sabia que seria assim e o legal é estar de volta", comentou Bruno Soares.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.