Charles Platiau/Reuters
Charles Platiau/Reuters

Em jogo sem quebras, Djokovic supera Berdych e vai à semi

Sérvio precisa de dois tie-breaks para superar seu grande 'freguês'

Estadão Conteúdo

06 Novembro 2015 | 19h45

Em um jogo duro, e sem quebras de saque, o sérvio Novak Djokovic foi soberano nos tie-breaks para derrotar o checo Tomas Berdych por 2 sets a 0, com parciais de 7/6 (7/3) e 7/6 (10/08), e garantir seu lugar na semifinal do Masters 1000 de Paris, na França. O número 1 do mundo precisou de 2h07min para superar o "freguês", contra quem ostenta agora 20 vitórias e apenas duas derrotas.

Exibindo ritmo incrível nesta temporada, o tenista da Sérvia alcançou sua 14ª semifinal em 15 torneios disputados até agora em 2015. Acumulou ainda a 20ª vitória consecutiva. Ele vem de três títulos seguidos no circuito. Se levantar o troféu no domingo, chegará a marca de 10 títulos no ano.

Antes disso, terá pela frente o vencedor do confronto entre o suíço Stan Wawrinka e o espanhol Rafael Nadal, que se enfrentam ainda nesta sexta. A outra semifinal de Paris já está definida. Terá o escocês Andy Murray e o espanhol David Ferrer, que eliminou o norte-americano John Isner, algoz de Roger Federer na quinta, por 6/3, 6/7 (6/8) e 6/2.

Djokovic e Berdych fizeram nesta sexta um dos duelos mais equilibrados no retrospecto geral entre os dois tenistas. Tão parelho que não houve quebra de saque nos dois sets do jogo. A partida contou com apenas dois break points, um para cada, ainda no set inicial. No segundo, nenhum dos dois teve o saque ameaçado.

Diante de tal equilíbrio, somente os tie-breaks puderam definir o confronto. No primeiro, Djokovic foi claramente superior e fez valer o favoritismo. No segundo, Berdych chegou a ter dois set points, mas desperdiçou suas chances com erros bobos. Ao todo, cometeu 38 erros não forçados, contra 22 do sérvio. Djokovic fechou o jogo em seu terceiro match point (seria o segundo se o juiz de linha não tivesse falhado em uma das marcações).

Mais cedo, Ferrer teve menos trabalho que Federer para conter o saque de Isner. O americano estava menos preciso nesta sexta. Acertou 17 aces, contra os 27 de quinta-feira. Além disso, foi irregular no fundo de quadra e, mesmo empatando o jogo no segundo set, não aguentou o ritmo de Ferrer na terceira parcial e foi eliminado da competição.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.