Jason O'Brien/Reuters
Jason O'Brien/Reuters

'Em minha carreira eu dei 100% de mim', diz Hewitt ao se aposentar

Ex-número 1 caiu na segunda rodada do Aberto da Austrália

Estadão Conteúdo

21 Janeiro 2016 | 11h49

Ex-líder do ranking mundial e um dos maiores ídolos do seu país na história do esporte, Lleyton Hewitt se aposentou das quadras nesta quinta-feira, aos 34 anos de idade, ao ser derrotado pelo espanhol David Ferrer por 3 sets a 0, com parciais de 6/2, 6/4 e 6/4, na segunda rodada do Aberto da Austrália.

Com a aposentadoria marcada para o fim da sua participação no primeiro Grand Slam da temporada, Hewitt se tornará o novo capitão da Austrália na Copa Davis. E, ao pendurar as raquetes como jogador profissional, ele se emocionou no discurso que fez ao público na Rod Laver Arena, em Melbourne.

Com o microfone aberto para a torcida, Hewitt falou ao lado dos seus três filhos dentro da quadra, enquanto sua esposa, Bec Hewitt, chorava nas arquibancadas. E o atual 304º colocado da ATP disse que era uma "emoção estranha" se despedir do tênis como jogador, mas ressaltou que encerra a carreira satisfeito com o fato de sempre ter se esforçado ao máximo para ser o melhor tenista possível.

"Não deixei nada no vestiário. Isto é algo de que eu posso me orgulhar. Em toda minha carreira, dei 100% de mim. Adoro vir aqui e competir", afirmou Hewitt, lembrando que o Aberto da Austrália era o torneio ideal para ele se aposentar. "Sempre que joguei neste estádio me senti como em minha segunda casa e estou muito agradecido pelo tempo que passei aqui", completou.

Tenista mais jovem a chegar ao topo do ranking mundial, posto que ele atingiu com 20 anos e oito meses de idade, Hewitt nunca conseguiu conquistar o Aberto da Austrália, onde chegou a ser vice-campeão em 2005, quando caiu na decisão diante do russo Marat Safin. Porém, isso nunca diminuiu seu prestígio em relação ao público australiano, que foi lembrado com carinho pelo ex-número 1 nesta quinta.

"Sinto-me honrado por ter este apoio e este amor da torcida. Significa muito para mim. Tive muito sucesso e grandes partidas nesta quadra. É uma sorte terminar aqui", enfatizou Hewitt, que ainda foi reverenciado por Ferrer após o confronto.

"É um dia triste porque Lleyton termina sua carreira. Ele é um espelho para mim, é um ídolo e um jogador impressionante. Jogar a última partida de Lleyton é muito especial. Foi duro, ele luta até a última bola. Ele merece qualquer coisa e, apesar de eu ter vencido, esta noite é para ele", ressaltou o espanhol.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.