Ericsson: teuto-brasileiro é destaque

Na terra do número 1 do mundo, Gustavo Kuerten, o tenista gaúcho Thomas Behrend ainda prefere jogar pela Alemanha. Isso mostra que mesmo com toda a efervescência da modalidade, depois da consagração de Guga, nem tudo caminha bem para os tenistas brasileiros, ainda preferindo o apoio e organização de outros países. Behrend já fez sucesso na Copa Ericsson do ano passado, chegando às finais de simples e de duplas e, agora, estreou com boa vitória ao superar a revelação nacional, Alexandre Simoni, por 6/3 e 7/6 (7/3). "Gosto muito de jogar no Brasil, me sinto em casa e ao lado da minha família", disse Behrend.Nem este prazer de estar "em casa" é capaz de tirar Behrend da Alemanha, onde tem apoio, treinador e consegue relativo sucesso na carreira. Há um bom tempo que se mantém num bom posicionamento no ranking. Ocupa esta semana a posição de número 128 da ATP e já provou que sabe jogar bem em quadras rápidas, tendo vencido Fernando Meligeni no Aberto da Austrália do ano passado.O preço por optar pela cidadania alemã é que Thomas Behrend jamais foi lembrado para integrar a equipe brasileira da Copa Davis. O tenista gaúcho naturalizado alemão deixa transparecer que se fosse convocado não hesitaria em defender o Brasil. Outro brasileiro estreou bem na Copa Ericsson, no Clube Paineiras do Morumbi. André Sá ganhou do espanhol Feliciano Lopez por 6/4 e 6/4.

Agencia Estado,

23 de outubro de 2001 | 18h31

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.