Experiência e tradição da Rússia são maiores desafios do Brasil na Davis

Para o capitão da equipe, João Zwetsch, nervosismo será fator decisivo na disputa do torneio

Nathalia Garcia - estadão.com.br,

14 de setembro de 2012 | 14h23

SÃO JOSÉ DO RIO PRETO - O Brasil volta a ter a Rússia pelo caminho na tentativa de voltar ao Grupo Mundial da Copa Davis. E o capitão João Zwetsch sabe que a experiência dos adversários e a tradição dos russos no esporte são os maiores desafios dos tenistas da casa, mas reconhece que o nervosismo será um fator decisivo durante os confrontos.

 

"Qualquer jogador que entra na Copa Davis tem de lidar com essa questão emocional, que é mais forte do que o normal. Espero que a gente possa mostrar muita garra, muita luta, muito coração e estar constante dentro do jogo. Assim, tenho certeza de que a gente estará próximo de conseguir a vitória", disse.

 

João está confiante na força dos brasileiros para driblar essas dificuldades nas quadras de saibro e mostrar que ganharam maturidade desde a última edição do torneio. E, para ser imbatível na Copa Davis, o comandante dá sua receita: força, sintonia, comprometimento e cumplicidade entre todos os membros da equipe.

 

"O Brasil aprendeu o caminho para tirar proveito da condição de estar vivendo uma semana inteira em grupo, da força que existe quando pessoas se unem por um mesmo objetivo, com um mesmo foco", avaliou.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa DavisJoão Zwetsch

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.