Favela Open leva alegria em São Paulo

Em uma quadra improvisada de cimento, pintada pelos moradores do Parque Fernanda, no Capão Redondo, centenas de crianças disputaram neste sábado a nona edição do Torneio Favela Open de Tênis - "O evento mais fashion do mundo" de acordo com os moradores - que contou com a participação da dama do tênis, Maria Esther Bueno, 65 anos, a primeira e única tenista brasileira campeã mundial. Em seu currículo, são oito títulos em Wimbledon e outros 63 mundiais. "Nunca imaginei encontrar um evento tão bonito como este. Isto aqui é superimportante para as crianças que estão começando. Hoje elas ficaram sabendo o que representei para o tênis, que coloquei o Brasil no mapa", disse Maria Esther, que também distribuiu raquetes.Em sua homenagem, as crianças escreveram no chão: "Rolanga Brejo - Bem-Vinda Maria Esther Bueno." O pontapé inicial do projeto Favela Open foi do ex-catador de papel e carroceiro Jorge Nascimento, de 39 anos, que há sete anos viajou para a Europa em busca de emprego melhor. Foi pegador de bolinhas na Espanha e trabalhou em um hotel, onde conheceu Javier Sánchez, tenista e dono de academia. "Sonhava em jogar tênis. Ele me levou para fazer uns testes, mas não passei", conta Jorge, que mesmo assim não desistiu de seu sonho. Passou a viajar para os principais torneios de tênis, como Wimbledon e Roland Garros, limpando quadras. Em quatro anos, conseguiu comprar uma casa e "levantou" a vida.Nas férias, voltava ao Brasil munido de raquetes e bolinhas para distribuir para a molecada. Foi divulgando o tênis no Capão Redondo e dando aulas. Hoje, divide-se entre seu projeto, que leva o nome do torneio, e as aulas particulares de tênis que dá - a fonte de seu investimento para a comunidade.Na final deste sábado, com um set, o campeão foi Leandro Rodrigues de Queiroz, 16 anos, que venceu Weverton Moreira por 6/4. Um dia, Leandro passou em frente à academia Sul Esportes Center no Morumbi e pediu para assistir a uma aula. Voltou outras vezes e ganhou emprego de catador de bolinhas. Hoje, trabalha como rebatedor e está competindo. "Fiquei muito feliz porque venci o torneio. Todo mundo aqui tem condições de jogar bem. Só precisamos de oportunidade", disse. No feminino, a campeã foi Viviane Medeiros, de 14 anos, que venceu Priscila Santos por 6/3.Ainda houve a participação dos índios da Aldeia Tenondé Porá, de Parelheiros, que fizeram uma final simbólica com os campeões do torneio. Na recepção a eles, as crianças do Parque Fernanda saíram correndo. "Eles não vão dar flechadas na gente?", perguntava, assustada, Patrícia Silva, 11 anos. Depois, começaram a se enturmar com as tímidas crianças visitantes. De um "camarote VIP" improvisado em um sobrado, o cacique da tribo acompanhou tudo, com cocar e cachimbo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.