Favorito, Haas tenta vaga na semifinal do Brasil Open

Veterano alemão terá pela frente o argentino Horacio Zeballos no Ginásio do Ibirapuera

Alessandro Lucchetti e Nathalia Garcia , O Estado de S. Paulo

28 de fevereiro de 2014 | 05h00

SÃO PAULO - O alemão Tommy Haas continua nesta segunda-feira sua busca pelo título inédito no Brasil Open. Por uma vaga na semifinal, o tenista veterano, de 35 anos, vai enfrentar o argentino Horacio Zeballos, de 28, no Ginásio do Ibirapuera, em São Paulo. Antenado, Haas mostra conhecimento sobre o estilo de jogo do adversário, que ganhou de Rafael Nadal no Torneio de Viña del Mar, no Chile, no ano passado. "É canhoto, tem jogado um bom tênis e gosta de quadra de saibro."

Com tais características, o europeu especialista em quadra rápida sabe que precisa se adaptar e promete se impor em quadra. "Felizmente estou servindo bem, posso segurar meu serviço e colocar pressão no dele. Vamos ver o que acontece", afirma.

O tenista ocupa o 12.º lugar no ranking da ATP e é dono do melhor posicionamento na lista da entidade entre os participantes da competição nacional. Ainda assim, ele contém a euforia e não quer pensar no título antes da hora. "Não me vejo necessariamente como favorito. Se você olhar o ranking, pode dizer isso. Mas é o meu primeiro torneio de saibro desde julho do ano passado. Alguns outros caras jogaram toda a gira de saibro sul-americana", aponta.

Em caso de vitória, Haas terá pela frente o vencedor do confronto entre o argentino Juan Monaco e o italiano Paolo Lorenzi, que despachou o brasileiro Rogério Dutra Silva. Depois de Bruno Soares nas duplas, Feijão e Guilherme Clezar, mais um tenista da casa se despediu precocemente do Brasil Open. Rogerinho vinha embalado de duas vitórias no qualifying e de uma boa estreia, mas abusou dos erros e acabou superado por 2 sets a 0, com parciais de 4/6 e 3/6.

O paulista reconhece que não teve uma boa atuação. "Faltou ritmo de jogo. Senti um pouco o físico. E hoje não senti tão bem a bola, não me senti tão bem na quadra. Quando eu jogava um game mais duro, consequentemente o próximo game já era mais difícil", analisou. Mas a derrota não tira a confiança de Rogerinho, que fica satisfeito com a sua participação. "A semana foi muito boa. É continuar treinando e batalhando, estou no caminho certo."

Tudo o que sabemos sobre:
tenis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.