Federer bate González e é campeão do Aberto da Austrália

O suíço Roger Federer venceu o chileno Fernando González, por 3 sets a 0 - com parciais de 7/6 (7/2), 6/4 e 6/4 -, conquistando o Aberto da Austrália pela terceira vez e garantindo seu décimo título de Grand Slam. Federer mostrou de novo suas qualidades de número um para bater o melhor González em duas horas e 21 minutos, após salvar dois set points no décimo game do primeiro set. O suíço recebeu um cheque de 766.305 euros (cerca de R$ 2 milhões), enquanto González ganhou a metade. No final da partida, Federer foi até o banco do chileno para consolá-lo e felicitá-lo por sua atuação este ano, desejos que reiterou na entrega de troféus. Federer venceu o torneio sem perder um só set, algo que não ocorria em um Grand Slam desde 1980, em Roland Garros, com o sueco Bjorn Borg, que havia conseguido o mesmo em 1976, em Wimbledon, e em 1978, também em Paris. Na Austrália, só Ken Rosewall, em 1971, fez o mesmo, embora o popular ´Kenny´ só tenha disputado cinco partidos porque o quadro era então de 64 jogadores, em vez de 128. Além disso, não precisou jogar a primeira rodada. "É muito duro para mim, foi um torneio muito especial e, tenho que felicitar de novo Federer por jogar tão bem hoje, como em todos os dias de toda sua vida", disse um emocionado González. O chileno, que sobe para o posto de quinto melhor tenista do mundo, tentava se transformar no segundo representante do Chile a ganhar um Grand Slam. Anita Lizana, que em 1937 ganhou o US Open, é a única chilena a vencer um dos grandes torneios do esporte. Luis Ayala perdeu duas finais em Roland Garros, em 1958 e 1960, e Marcelo Ríos foi vice-campeão na Austrália em 1998, ao ser derrotado pelo tcheco Petr Korda, também em três sets. Desta vez, Federer segurou bem a taça de campeão, diferentemente do ano passado, e disse a González: "Desejo o melhor em sua volta ao Chile e em toda a temporada". Em seguida, dirigiu-se a Rosewall, que estava no camarote: "Estou muito orgulhoso de ser o primeiro depois de você a ganhar aqui sem perder um set. Por favor, levante-se". Em busca do melhor desempenho possível, o chileno mudou de raquete duas vezes durante o primeiro set. Lutou utilizando inclusive golpes de squash. Depois de ser o primeiro a conseguir uma quebra, no nono game, teve duas oportunidades de fechar o set sacando, mas não conseguiu superar o voleio de Federer. Dois games depois, González salvou quatro set points, mas perdeu o set por 7/2 no tie-break após 65 minutos. O chileno esteve a ponto de vencer o primeiro set, como o cipriota Marcos Baghdatis no ano passado. Depois, o chileno pediu o atendimento de um fisioterapeuta na quadra, para receber massagem no ombro direito que tinha forçado ao máximo com suas direitas. O melhor de Federer apareceu em seguida, com vontade de acabar o mais rápido possível a disputa, forçando o chileno ao máximo. Suíço conseguiu quebrar o sétimo game e ganhou o set em 38 minutos. Federer demonstrou que estava absolutamente concentrado quando de sua boca saiu um "não é justo" quando a juíza de cadeira francesa Sandra de Jenken determinou a repetição do primeiro ponto do terceiro set, após consulta ao tira-teima, apelidado de ´olho de falcão´, e considerar que deveria conceder a González o benefício da dúvida frente a um winner do suíço. Jenken, a primeira mulher na história a dirigir uma final masculina de Grand Slam como juíza de cadeira, foi testemunha também da mestria de Federer ao pôr ponto final à partida com um majestoso backhand em paralelo, após o qual o número um do mundo caiu no chão e comemorou a conquista de seu terceiro título no Aberto da Austrália.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.