Valery Hache/AFP
Valery Hache/AFP

Federer dedica prêmio Laureus ao rival Rafael Nadal: 'Ele fez eu voltar bem'

"Tivemos ótimas batalhas e é por causa de um cara como ele, que eu sinto que me tornei um jogador melhor"

Daniel Batista, enviado especial a Mônaco, O Estado de S. Paulo

28 de fevereiro de 2018 | 08h49

Roger Federer deu mais uma amostra de que é um esportiva diferenciado não só dentro de quadra. Após ganhar duas categorias e se tornar o maior vencedor da história do prêmio Laureus, o suíço mostrou muita personalidade e fez questão de dedicar as premiações ao rival Rafael Nadal, mas não de forma provocativa. Pelo contrário. O atual campeão de Wimbledon disse que o espanhol foi um dos motivos que fez ele se recuperar de lesão e voltar ao topo do tênis mundial.

+ Nadal volta a sentir dores na perna e desiste de jogar em Acapulco

"O prêmio eu dedico para o meu amigo Rafa. Ele teve um ano inacreditável. Tivemos ótimas batalhas e é por causa de um cara como ele, que eu sinto que me tornei um jogador melhor e trabalhei para me recuperar e voltar bem", disse o suíço, que ganhou o prêmio de melhor atleta masculino do ano e também o melhor retorno esportivo, em evento realizado em Mônaco.

O curioso é que Federer disputou o prêmio de melhor do ano justamente contra Nadal e outros quatro atletas - o português Cristiano Ronaldo e o trio britânico Chris Froome, Mo Farah e Lewis Hamilton. "Ele poderia muito bem estar aqui, no meu lugar, e seria justo. Ele é um jogador incrível e um amigo incrível", falou o suíço, emocionado. 

Com os dois prêmios conquistados, Federer assumiu a liderança no ranking do número de troféus do prêmio Laureus. Antes, ele estava empatado com o jamaicano Usain Bolt, ambos com quatro, mas agora abriu a vantagem para seis estatuetas. Anteriormente, o suíço havia ganho a indicação de melhor atleta entre 2005 e 2008.  

Além da premiação aos atletas, o prêmio Laureus também apoia projetos sociais em todo o mundo e no Brasil tem parceria com quatro instituições, sendo três delas no Rio de Janeiro. Casos do Instituto Reação, da Luta pela Paz e do Bola para frente. Completam a lista ainda, a fundação Gol de Letra, que tem eventos no Rio e em São Paulo e é fundada pelos ex-jogadores Raí e Leonardo. E até o ano passado, o Laureus apoiava também o Passe de Mágica, fundado pela Magic Paula, ex-jogador de basquete.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.