Edgar Su/Reuters
Edgar Su/Reuters

Federer diz não estar 100% e admite chance de não disputar o Aberto da Austrália

Suíço teve diversos problemas físicos na temporada e disputou apenas um torneio no ano

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de dezembro de 2020 | 08h45

Roger Federer ainda não sabe se poderá jogar o Aberto da Austrália em 2021. Depois de uma temporada em que disputou apenas um torneio, justamente o primeiro Grand Slam do ano, o tenista suíço diz que ainda não está 100% e colocou em dúvida a sua participação em Melbourne, no início do próximo ano.

"Eu esperava estar 100% em outubro. Mas isso ainda não aconteceu. Terei pouco tempo para o Aberto da Austrália", afirmou o número cinco do mundo, após receber o prêmio "Sports Awards" na Suíça - ele foi eleito o melhor atleta do seu país dos últimos 70 anos.

Federer viveu uma temporada atípica em 2020, e não somente por causa da pandemia. Ele passou por duas cirurgias no joelho direito, em fevereiro e em junho. Por isso, disputou apenas o Aberto da Austrália neste ano. Foram apenas seis partidas disputadas, com cinco vitórias e a eliminação na semifinal, diante do sérvio Novak Djokovic.

"A segunda operação no joelho foi muito forte, mas nestes últimos seis meses tivemos uma evolução constante. Vamos ver como serão os dois próximos. Tenho feito muita fisioterapia e trabalho físico ultimamente. Agora vamos ver como ficará o meu tênis", comentou o atleta que completará 40 anos em agosto de 2021.

A seu favor, o suíço tem o adiamento quase certo do Aberto da Austrália. Marcado inicialmente para 18 de janeiro, o torneio deve começar apenas em 8 de fevereiro devido à pandemia e às restrições impostas pelo governo australiano nas últimas semanas.

"É uma corrida contra o tempo para o Aberto da Austrália. Estou curioso para ver se começará no dia 8 mesmo. Claro que vai ajudar se eu tiver um pouco mais de tempo", reconheceu Federer.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisRoger Federer

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.