Federer segue sua rotina de títulos

A derrota para o russo Marat Safin na semifinal do Aberto da Austrália, em janeiro, foi mesmo um acidente no caminho do quase imbatível Roger Federer. O suíço líder do ranking mundial superou o croata Ivan Ljubicic neste domingo, por 2 sets a 1, e conquistou o título do Torneio de Dubai, nos Emirados Árabes, pelo terceiro ano consecutivo. "Ganhar três vezes um mesmo torneio é algo fantástico. É a primeira vez que me acontece", disse Federer. As parciais da decisão foram 6/1, 6/7 (6/8) e 6/3. Curiosamente, foi a terceira final do ano disputada por Federer e a terceira contra Ljubicic. O croata já virou freguês, pois havia perdido também em Doha, no Catar, em janeiro, e em Roterdã, na Holanda, na semana passada.O suíço chegou a ter uma oportunidade para fechar o jogo no segundo set, mas a desperdiçou e teve de disputar o terceiro. "Não pude liquidar a partida rapidamente porque Ivan lutou muito. É desanimador contar com um match point e depois ter de ir ao terceiro set. Me fez lembrar o jogo com Safin", afirmou. A derrota para o russo na semifinal na Austrália foi a única do ano para Federer. O suíço, de 23 anos, chegou ao 25º título da carreira e venceu todas as 16 últimas finais que participou, um recorde do esporte.Ascensão - O espanhol Rafael Nadal, de apenas 18 anos, vive excelente fase e deve aparecer nesta segunda-feira já entre os 30 melhores tenistas do mundo. Depois de vencer o Aberto do Brasil, no dia 19, Nadal foi campeão do Aberto do México, em Acapulco, na noite de sábado, ao bater seu compatriota Albert Montañes por 6/1 e 6/0. "Não esperava ganhar tão fácil. Não esperava um 6/0 numa final", disse o campeão. "Comecei o ano muito melhor que o esperado e segunda devo aparecer como 30º ou 31º. Trabalho para chegar o mais longe possível", afirmou, sobre a ascensão no ranking mundial. "Se tiver de ser o primeiro, que assim seja. Se tiver de ser o número 10, serei o número 10. O 20, então que seja o 20. Só digo que vou trabalhar para explorar ao máximo minhas condições."Nadal agora volta à Europa onde defenderá a Espanha pela Copa Davis, a partir de sexta-feira, contra a Eslováquia. Em Bogotá, na Colômbia, também a partir de sexta, o Brasil enfrentará a equipe colombiana. Comandado por Fernando Meligeni, o Brasil terá Ricardo Mello, André Sá, Flávio Saretta e Bruno Soares.O ex-jogador Thomaz Koch, atual vice-presidente técnico da Confederação Brasileira de Tênis e o tenista brasileiro que mais jogou a Davis (44 confrontos), acompanhará a delegação. "Podemos contar com a experiência de ex-tenistas como o Koch na hora de uma disputa importante como a Davis e temos de aproveitar esta oportunidade", disse Meligeni.

Agencia Estado,

27 de fevereiro de 2005 | 21h18

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.