Karim Sahib/AFP
Karim Sahib/AFP

Federer supera Tsitsipas na final em Dubai e chega ao 100º título

Suíço faz 2 sets a 0, com duplo 6/4, em apenas 1h09min de jogo, para levantar mais um troféu

Redação, Estadão Conteúdo

02 de março de 2019 | 14h23

Roger Federer voltou a fazer história neste sábado. O suíço alcançou o seu 100º título da carreira ao levantar o troféu do Torneio de Dubai pela oitava vez. Na final da competição disputada nos Emirados Árabes Unidos, o tenista de 37 anos superou o grego Stefanos Tsitsipas pelo placar de 2 sets a 0, com duplo 6/4, em apenas 1h09min de duelo.

A vitória ampliou a lista de marcas expressivas e recordes no currículo do suíço. Federer se tornou apenas segundo homem da história a alcançar os 100 títulos em simples. Acima dele está somente o norte-americano Jimmy Connors, dono de 109 troféus - se aposentou em 1996. Ainda no masculino, mas nas duplas, os irmãos Bob e Mike Bryan também já superaram a barreira dos 100 troféus, com 117 e 122, respectivamente.

No geral, Federer se tornou o quinto tenista a alcançar tal marca. Antes dele, três mulheres fizeram história com currículos ainda mais recheados: a checa Martina Navratilova atingiu o surpreendente número de 167 troféus, a norte-americana somou 154 e a alemã Steffi Graf obteve 107 títulos.

Na contabilidade de Federer, que começou em 2001, há apenas os títulos de nível ATP e também os Grand Slams. Não estão nesta lista os três troféus da Copa Hopman (reconhecida pela Federação Internacional de Tênis), a taça da Copa Davis e a medalha de ouro conquistada nas duplas nos Jogos Olímpicos de Pequim-2008.

O triunfo deste sábado teve sabor de vingança para Federer. Ao faturar o seu primeiro título do ano sobre Tsitsipas, o ex-número 1 do mundo devolveu a inesperada derrota para o grego nas oitavas de final do Aberto da Austrália, em janeiro.

Longe de repetir as oscilações daquela partida, o suíço dominou o atual 11º do ranking com facilidade. Com aproveitamento de até 83% dos pontos quando jogou com o seu primeiro serviço, o favorito não perdeu o saque ao longo da partida e só precisou salvar dois break points. Ao mesmo tempo, faturou duas quebras, uma em cada set.

"Estou feliz por ainda estar jogando", disse o tenista de 37 anos, com o troféus nas mãos. "Foi um caminho muito longo até aqui, muitas dificuldades, muitos sacrifícios. Eu não teria feito nada diferente", comentou.

O título em Dubai fará Federer deixar o sétimo lugar do ranking e ocupar o quarto posto na lista da ATP a ser atualizada na segunda-feira. Tsitsipas, de apenas 20 anos, entrará no Top 10 pela primeira vez na carreira, ao figurar justamente na 10ª colocação.

A celebração do 100º troféu contou com apresentações artísticas e até um coral de crianças e adolescentes em quadra, logo após o ponto final do jogo. Nos discursos da cerimônia, os organizadores afirmaram que o suíço tem contrato para jogar em Dubai em 2020, o que indica que Federer deve jogar ao menos mais uma temporada, o que lhe dará tempo para tentar alcançar o recorde de títulos de Connors.

Mais conteúdo sobre:
Roger Federertênis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.