Peter Klaunzer / EFE
Peter Klaunzer / EFE

Federer tem rota dura por sua 9ª taça de Wimbledon; Nadal encara chave mais fácil

Após ficar onze meses parado, Andy Murray estreia contra francês Benoit Paire

Estadão Conteúdo

29 Junho 2018 | 11h26

A chave masculina de simples de Wimbledon, Grand Slam que começará na próxima segunda-feira, foi sorteada nesta sexta e revelou que Roger Federer, atual campeão, fará a sua estreia em Londres contra o sérvio Dusan Lajovic, atual 57º colocado do ranking mundial, em um jogo considerado tranquilo. Porém, a sua rota se desenha como dura na luta para conquistar o seu nono título do tradicional torneio.

+ Torneio de exibição, Laver Cup confirma presenças de Djokovic e Del Potro

+ Algoz de Murray, Edmund perde de casaque e semi em Eastbourne fica sem britânicos

+ Wozniacki vence australiana e encara Kerber na semifinal em Eastbourne

O tenista suíço será o cabeça de chave número 1 e nesta temporada de grama conquistou o Torneio de Stuttgart e foi vice-campeão em Halle, também na Alemanha. Pela disposição de sua chave, o atual vice-líder da ATP poderá reencontrar o croata Borna Coric em um eventual confronto das oitavas de final em Wimbledon depois de ter sido surpreendido pelo jovem de 21 anos na decisão em Halle, no domingo retrasado. Hoje na 21ª posição da ATP, o talentoso jogador da Croácia estreará contra o russo Daniil Medvedev, 59º do mundo.

Também deste mesmo lado da chave, o croata Marin Cilic, terceiro pré-classificado, é um possível rival de Federer nas quartas de final se os dois chegarem até este estágio do Grand Slam. No ano passado, o atual quinto colocado do ranking foi superado justamente pelo suíço na decisão em Wimbledon. O seu adversário de estreia agora será o japonês Yoshihito Nishioka, apenas o 259º da ATP.

Rafael Nadal, atual número 1 do mundo, vai abrir campanha contra o israelense Dudi Sela, 129º colocado do ranking, e o quadrante de sua chave indica uma rota suave até as quartas de final. Campeão na capital inglesa em 2008 e 2010, o espanhol tem como possíveis rivais em um eventual confronto valendo vaga na semifinal o argentino Juan Martín del Potro, o britânico Andy Murray, o jovem canadense Denis Shapovalov e o belga David Goffin.

Já o sérvio Novak Djokovic, três vezes campeão de Wimbledon, seria um possível adversário de Nadal nas semifinais. O sérvio abrirá a sua campanha contra o norte-americano Tennys Sandgren atuando como franco favorito. Depois, porém, o caminho do sérvio não será fácil e já prevê um provável duelo complicado de terceira rodada com o britânico Kyle Edmund, 18º colocado da ATP, hoje apenas uma posição atrás do próprio Djokovic.

Nas oitavas, o austríaco Dominic Thiem, sétimo tenista do mundo, é um possível rival do jogador de Belgrado, que após enfrentar uma série de problemas físicos ainda luta para conquistar o seu primeiro título na temporada. O ex-número 1 do mundo foi vice-campeão do ATP 500 de Queen's em sua preparação para Wimbledon.

MURRAY

Bicampeão do Grand Slam inglês, com os troféus de 2013 e 2016, Andy Murray jogará sob desconfiança dos seus torcedores depois de ter vencido apenas um dos três jogos que fez em seu retorno às competições após 11 meses afastado das quadras. Ele iniciou longo período de recuperação logo após ser eliminado nas quartas de final de Wimbledon de 2017, em julho no ano passado, já com fortes dores no quadril, em lesão que motivou a realização de uma cirurgia no início de 2018.

Ex-número 1 do mundo e hoje na 156ª posição do ranking, o escocês estreará em Londres contra o francês Benoit Paire, 48º colocado da ATP, e pode encarar o perigoso canadense Denis Shapovalov, 26º cabeça de chave, já na segunda rodada.

Nenhum tenista brasileiro conseguiu se qualificar para jogar a chave de simples masculina de Wimbledon, assim como o torneio individual feminino não contará com nenhuma representante do País. Beatriz Haddad Maia, que seria a única com credenciais para entrar na competição, está afastada das quadras para se recuperar de uma lesão.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.