Marcelo Sayão/EFE
Marcelo Sayão/EFE

Feijão oscila, mas vence esloveno e vai às quartas no Rio Open

Brasileiro deve entrar no Top 80 da ATP pela 1ª vez na carreira, ultrapassando Thomaz Bellucci como principal tenista do Brasil

RONALD LINCOLN JR., O Estado de S. Paulo

18 de fevereiro de 2015 | 22h53

João Souza, o Feijão, sofreu por 3h02 em quadra, mas derrotou nesta quarta-feira o esloveno Blaz Rola e avançou às quartas de final do Rio Open. Foi a segunda vitória do brasileiro em um torneio de nível ATP 500, que vive bom momento na temporada. O resultado pôs fim a mais um tabu na carreira de Feijão, que havia sido derrotado em todos os três duelos em que havia enfrentado o esloveno, atual 92º do ranking.

De quebra, a vitória desta quarta levará Feijão a obter seu melhor ranking da carreira. Ele deve entrar no Top 80 pela primeira vez, superando Thomaz Bellucci na lista e se tornando o novo número 1 do Brasil.

Embalado no saibro carioca, o brasileiro pode ir ainda mais longe na chave, porque escapou de encarar o espanhol Tommy Robredo, especialista no piso lento, nas quartas. Robredo foi surpreendido pelo austríaco Andreas Haider-Maurer, 74º do ranking, nesta quarta.

"Sei que enfrentar o Feijão será um jogo difícil, ele está bem confiante, jogando em casa, mas cada rodada é um passo, e acho que tenho chance de ir além no torneio", considerou Haider-Maurer.

Feijão começou muito bem o primeiro set contra Blaz Rola. Chegou a liderar por cinco a um, com duas quebras de serviço. Mas o esloveno se recuperou, conseguiu devolver uma quebra e encostou no brasileiro. O brasileiro voltou a se impor no último game e concluiu o set com um belo backhand.

O segundo set foi marcado pelo equilíbrio e caminhou para o tie-break. Feijão chegou a salvar seis set points e desperdiçou três match points, o último deles numa lance inacreditável. Pronto para fechar o jogo em um fácil saque e voleio, ele mandou longe da quadra e quase calou as arquibancadas. Rola reagiu prontamente, empatou o tie-break e virou, empatando a partida.

O inesperado revés, contudo, não abalou o brasileiro. Ele voltou a jogar melhor no terceiro set e não perdeu a concentração mesmo depois de sofrer uma quebra. Feijão buscou a igualdade, virou o marcador e sacramentou a vitória depois de uma dupla falta do adversário.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisRio OpenFeijão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.