Franceses vêem ressurreição de Guga

Três vezes ganhador de Roland Garros, em 1997, 2000 e 2001, Gustavo Kuerten voltou a fazer história no torneio. Para os franceses, a vitória sobre o número 1 do mundo, Roger Federer, foi apontada como a ressurreição do tenista brasileiro de 27 anos. Esta é a 7ª vez, sendo 6ª consecutiva, que Guga avança para as oitavas de final do Aberto da França. E na segunda-feira, vai em busca de uma vaga na quartas diante do espanhol Feliciano Lopez, número 25 do ranking mundial, que neste sábado venceu o sul-coreano Lee Hyung-taik por 3 sets a 1 - parciais de 7-6 (7-3), 4-6, 6-0 e 6-3."Esta vitória sobre o Federer já valeu como um título", comparou Guga em uma concorrida entrevista coletiva. Nos outros dias, quase não havia ninguém na sala.O nivel de confiança do tenista parece ter atingido o seu auge com este resultado em Roland Garros. Como lembrou o próprio Guga, na primeira rodada, diante do espanhol Nicolas Almagro, esteve muito próximo de dizer adeus a competição, quando o adversári o sacou com vantagem de 5 a 4 no quinto set."Estive a dois pontos de sair na primeira rodada", disse Guga referindo-se ao fato de Almagro ter sacado com 5 a 4 e 30 a 0. "Mas agora, já ganhei seis sets seguidos. Três do Gilles Elsenner e outros três do Federer." Agora, Guga já está entre os 16 melhores do torneio, repetindo uma história de seis anos seguidos. Em 1999 foi as quartas-de-final (perdeu para Andrei Medvedev), ganhou em 2000 e 2001, caiu nas oitavas de 2002 - perdeu para Albert Costa - e ano passado foi eliminado na mesma fase por Tommy Robredo."Chegar a segunda semana é mesmo muito importante. Agora a adrenalina já fica lá em cima". Essa "adrenalina", segundo Guga, tem sido responsável pela sua superação e o aparente alívio das dores no quadril. Nesta partida diante de Federer chegou a chamar pelo fisioterapeuta, mas apenas para evitar problemas posteriores. "A dor não incomodou. É lógico que ela aparece durante a partida, mas a fórmula que estou usando para superar o problema tem dado resultado."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.