Kevork Djansezian|AFP
Kevork Djansezian|AFP

Governo russo diz que doping de Sharapova não mancha imagem

Porta-voz diz que caso não deve ser projetado no esporte russo

Estadão Conteúdo

09 de março de 2016 | 09h25

O Kremlin afirmou nesta quarta-feira que o caso de doping da tenista Maria Sharapova, revelado na última segunda-feira, e outros casos envolvendo atletas do país não devem ser considerados como um reflexo do esporte russo como um todo.

Sharapova é o nome mais proeminente a testar positivo para o medicamento Meldonium, também conhecida como Mildronato, mas houve outros envolvendo atletas russos de esportes diferentes relacionados com a mesma substância, que entrou na relação das proibidas pelo Agência Mundial Antidoping a partir deste ano.

O porta-voz do presidente russo, Vladimir Putin, Dmitry Peskov disse a jornalistas nesta quarta-feira que os casos envolvendo essa substância não devem ser "projetados em todo o esporte russo" e não "lançam uma sombra sobre o esporte da Rússia, nas incríveis realizações de nossos atletas".

Assim, o governo russo tenta tirar o peso dos casos envolvendo os competidores russos. Sharapova e os outros que testaram positivo são "atletas individuais em situações individuais", concluiu Peskov.

Ao revelar o seu caso de doping, Sharapova assumiu toda a responsabilidade por seu erro. Ela pode enfrentar uma longa suspensão da Federação Internacional de Tênis, que deve significar o fim da sua temporada, a impedindo de representar a Rússia nos Jogos Olímpicos do Rio.

A russa disse que tomou Meldonium, um medicamento que aumenta o fluxo sanguíneo, durante dez anos por vários problemas de saúde. A substância foi proibida porque aumenta o oxigênio no sangue e a resistência, e foi detectado que vários atletas de diferentes esportes o consumiam.

Além dos recentes casos envolvendo o Meldonium, a imagem do esporte da Rússia também foi abalada pelo escândalo de doping envolvendo o atletismo do país, o que provocou o descredenciamento da sua federação. Assim, seus atletas estão impedidos de participar de competições internacionais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.