Guga arrasa Ivanisevic em Cincinnati

Bem mais tranqüilo do que se esperava, Gustavo Kuerten afugentou o fantasma do poderoso serviço de Goran Ivanisevic e ao vencê-lo por 2 sets a 0, parciais de 6/2 e 6/1, em apenas 42 minutos, garantiu sua classificação para as quartas-de-final do Masters Series de Cincinnati. Agora, na rodada desta sexta-feira, revive um duelo dos mais memoráveis diante do russo Yevgeny Kafelnikov, adversário que Guga também enfrentou nas quartas-de-final de Roland Garros e acabou sendo comparado ao gênio de Picasso. Diante de Ivanisevic, Guga voltou a mostrar o seu lado genial, mas desta vez não por mostrar golpes bem traçados, mas sim por saber encontrar alternativas para superar a violência do serviço do tenista croata. O número 1 do mundo, usou de recursos simples, mas eficientes, como devoluções bem colocadas, apenas bloqueando o golpe com a raquete para intimidar o adversário e deixá-lo acuado. "O Guga colocou pressão desde o início do jogo", afirmou entusiasmado o técnico Larri Passos, após a partida. "O Goran ficou apavorado ao ver que seu serviço estava voltando em bolas bem colocadas." O segredo para vencer o violento saque de Goran Ivanisevic foi mesmo o de optar por um jogo estratégico. Guga não só investiu nas devoluções, como também mostrou habilidade em alguns lobs (bola por cima do adversário) que acabaram preocupando e intranqüilizando o tenista croata. Assim, na guerra dos saques, Guga levou a melhor. As estatísticas mostraram números bem favoráveis ao brasileiro. O índice de aproveitamento de primeiro serviço esteve em 69%, bem acima da média. Além disso, aplicou nove aces, contra apenas três do adversário, que cometeu ainda sete duplas faltas. Esta intranqüilidade do campeão de Wimbledon colaborou para que cometesse erros vitais. Logo no início do primeiro set, Guga conseguiu uma quebra de serviço aproveitando-se de três duplas faltas do adversário. Depois, ampliou sua vantagem, com outra quebra, mas, desta vez, usando a habilidade de inteligência para destruir a força do croata. Agora, Guga parte para um duelo dos mais interessantes diante do também talentoso Yevgeny Kafelnikov. Os dois tenistas sempre fizeram grandes partidas. Na última, em Roland Garros, o brasileiro levou a melhor a abriu as portas para a conquista do tricampeonato. Mas, não se pode esquecer, que este mesmo tenista russo tirou de Guga uma chance de medalha na Olimpíada de Sydney, no ano passado. Na rodada desta quinta-feira, Kafelnikov mostrou seu poder de reação ao derrotar o espanhol Alberto Martin, que havia eliminado Sampras, por 6/2, 2/6 e 6/4. Nos outros jogos, Jan-Michael Gambill (EUA) ganhou de Guillermo Cañas (Argentina) por 6/3 e 6/4; Tim Henman (Inglaterra) de Nicolas Kiefer (Alemanha) por 7/5 e 6/3; Lleyton Hewitt (Austrália) de Max Mirnyi (Bielo-rússia) por 1/6, 6/4 e 7/6 (7/4); Patrick Rafter (Austrália) de James Blake (EUA) por 7/6 e 6/2; e Greg Rusedski (Inglaterra) de Stefan Koubek (Áustria) por 6/3 e 6/3.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.