Guga avisa que vai se recuperar logo

A quarta derrota consecutiva em quadras rápidas, sendo duas em piso de carpete, pode colocar em dúvida a capacidade de Gustavo Kuerten de conseguir bons resultados nestas superfícies. O brasileiro seria capaz de repetir a façanha do ano passado, quando conquistou o título do Masters Cup de Lisboa e encerrou a temporada como número 1 do mundo? Guga acredita que sim e espera pela recuperação nos próximos torneios."Só posso reclamar da falta de sorte", lamentou Guga, em Stuttgart. "Foi um detalhe muito pequeno que definiu o resultado. A bola pegou na fita e caiu para o meu lado, mas poderia ter caído do outro", lembrou o brasileiro, ao comentar o lance em que ele perdeu um match point na partida contra o bielo-russo Max Mirnyi, que acabou vencendo o confronto. "Só isso poderia ter mudado toda a situação e teria ganho o jogo", resumiu o número 1 do mundo.Para tentar a recuperação, Guga deve mesmo jogar o ATP Tour da Basiléia, que começa na próxima semana e terá US$ 1 milhão em prêmios. O tenista brasileiro não pretendia participar deste torneio na Suíça, mas precisa ganhar ritmo nas quadras rápidas, depois da eliminação em Lyon e Stuttgart.Para Guga, que não é um especialista em quadras de pisos sintéticos, as dificuldades de adaptação costumam ser muito grandes. Mas o brasileiro está convencido de que esta situação irá mudar nos torneios mais importantes daqui para frente: o Masters Series de Paris e o Masters Cup de Sydney. Afinal, o número 1 do mundo já mostrou recursos suficientes para ser também respeitado em outros terrenos fora o saibro.Ajuda - Apesar da eliminação na estréia, Guga recebeu uma boa notícia em Stuttgart. Seu maior adversário na luta pela liderança do ranking, o norte-americano Andre Agassi, também foi derrotado na primeira rodada do torneio na Alemanha. Nesta quarta-feira, o número 2 do mundo perdeu para o marroquino Hicham Arazi por 2 sets a 0, com parciais de 7/6 e 7/5.

Agencia Estado,

17 de outubro de 2001 | 18h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.