Guga confirma: não joga Wimbledon

A decisão que já havia sido tomada há muito tempo, esperou pelo título de Roland Garros para ser anunciada: Gustavo Kuerten não vai mesmo disputar o torneio de Wimbledon. A razão é que Guga partiu para o sacrifício nesta temporada européia de quadras de saibro - considerado para ele o seu "ganha pão" - e agora precisa de um período de descanso e recuperação. No saibro, Guga se desgasta muito, exige demais de sua musculatura e há muito tempo vem reclamando de dores na virilha. Para não colocar em risco sua participação de Roland Garros chegou até mesmo a desistir do torneio de Barcelona. Mas agora terá de fazer tratamento. Em Wimbledon, numa quadra traiçoeira como a grama, Guga, com seu estilo de jogo, julga não ter muitas chances de brigar por um título. Resolveu investir em Roland Garros - o seu torneio preferido - e vai abrir mão de participar de um Grand Slam. "Como cheguei na final aqui em Roland Garros não vou ter condições de jogar Wimbledon", definiu Guga. "Se fosse para Londres teria de voltar a treinar dentro de quatro dias e não vai dar." Há tempos, Guga vem buscando uma boa razão para justificar sua decisão para deixar de jogar o mais tradicional torneio do planeta. Primeiro reclamou do critério de designações dos cabeças de chave, pois mesmo sendo o número 1 do mundo não estaria assegurado como primeiro pré-classificado. Esta justificativa correu risco, quando os organizdores do torneio de Wimbledon preocupado com a possível ausência do número 1 do mundo na competição, buscaram um diálogo com o jogador na tentativa de encontrar uma solução. Guga então resolveu assumir que a verdadeira razão é que precisaria de um tempo maior para descanso e tratamento para não agravar uma contusão. Avisou que se fizesse uma boa campanha em Paris desistiria de Wimbledon. Agora, com o tricampeonato em Roland Garros vai viajar de volta tranqüilo para sua Florianópolis e cumprir o plano. "Vou aproveitar este período para me colocar em forma e tentar fazer um bom segundo semestre, jogando a partir de Los Angeles, em quadra duras". Esta decisão de Guga não significa, porém, que sempre será assim. Ou seja, não que dizer que se no próximo ano jogar bem em Roland Garros estará fora de Wimbledon. Este será um recurso usado apenas nesta temporada. Na verdade, o tenista brasileiro tem certas restrições ao torneio inglês, como fica claro na ironia. "Sem jogar o torneio este ano, vou continuar invicto na quadra central de Wimbledon", disse, referindo-se ao fato de embora ser campeão de Roland Garros várias vezes, jamais pisou no chamado templo do tênis, a central de Wimbledon.

Agencia Estado,

10 de junho de 2001 | 20h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.