Guga critica corrida dos campeões

Número 1 do mundo pela segunda vez na carreira, Gustavo Kuerten não poupou críticas ao sistema de corrida dos campeões, em que deverá aparecer na segunda-feira por volta da 20.ª posição. Para o tenista brasileiro, o que vale mesmo é a chamada lista de entradas, enquanto a outra classificação vem perdendo sua importância. "A lista de entradas é, sem dúvida o mais importante, especialmente nesta época do ano, em que muitos outros jogadores já disputaram seis ou sete torneios, enquanto eu estou fazendo a segunda competição", afirmou Guga. "A corrida dos campeões não representa o que o tenista é na verdade e já perdeu muito do seu valor este ano." É compreensível esta indignação de Guga. Afinal, terminou a temporada de 2000 como número 1 do ranking mundial, assim como da corrida e, de repente, esta semana estava ocupando a posição de número 96 da corrida dos campeões, uma colocação que não espelha sua real colocação no cenário do tênis. É que a corrida computa apenas os pontos de um jogador a partir de janeiro, enquanto a lista de entradas calcula as últimas 52 semanas de cada tenista, num critério bem mais justo. O ranking mundial, lista de entradas, vai garantir a Gustavo Kuerten a posição de cabeça-de-chave número 1 em todos os torneios que participar. Além disso, é uma condição que normalmente assegura bônus de patrocinadores. Na lista de entradas da próxima segunda feira, Guga poderá aparecer com um total de 4.350 pontos, no caso de conquistar o título neste domingo. Com a vitória nas semifinais em Buenos Aires, já está com 4.290. O ex-líder Marat Safin vai manter os 4.265 pontos. Guga Kuerten liderou o ranking mundial do início de dezembro até o fim de janeiro. Vai recuperar a posição, na segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.