Guga critica mudança na equipe da Davis

A troca de comando da equipe brasileira da Copa Davis, com Jaime Oncins assumindo o lugar de Ricardo Acioly, foi duramente criticada pelo maior ídolo do tênis nacional: Gustavo Kuerten. A notícia, divulgada às vésperas do mais importante torneio do País, o Brasil Open, na Costa do Sauípe, veio em hora errada, na avaliação de Guga. Mesmo porque, em abril, há o confronto com o Paraguai, na luta para voltar à divisão de elite da competição."Nosso maior problema é a falta de jogadores e não a troca de técnico", desabafou Guga, que estréia nesta terça-feira na Costa do Sauípe. "Temos de fazer um trabalho de base. Colocar mais gente para jogar, escutar as pessoas que estão no circuito internacional. E nós, jogadores, não fomos consultados sobre a troca de técnico."Para Guga, a falta de investimentos na formação de novos jogadores poderá ter repercussões drásticas. "Se eu parar de jogar dentro de uns quatro anos, acredito que em oito anos ninguém mais vai falar de tênis", lamentou o tricampeão de Roland Garros e ex-número 1 do mundo. "Eu nunca vou dizer nada para ir de encontro ao tênis, mas essa notícia da Davis veio em hora errada.?Bastante contrariado com toda essa história, Guga contou que não foi nem sequer avisado da troca de comando. ?Só fiquei sabendo através do Saretta?, revelou o tenista, citando o outro titular da equipe brasileira na Davis.Guga e seu técnico Larri Passos acreditam que a Confederação Brasileira de Tênis (CBT) deveria investir mais na formação de novos atletas. E, por não concordarem com a política da entidade, disparam críticas contra o presidente Nelson Nastas. Ricardo Acioly é outro que cobrava da CBT mais investimentos na formação de novos tenistas. E acabou pagando caro, com a demissão do cargo de técnico da equipe da Davis.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.