Guga: ?É mágico jogar neste torneio?

O plano elaborado no sábado, véspera da decisão, de desenhar um novo coração na quadra e pintar na camisa a frase em francês de "amo Roland Garros", mostrou que Gustavo Kuerten não iria deixar escapar tão facilmente a oportunidade de conquistar o triccampeonato. Só que para chegar a mais um título, Guga lutou não só contra a qualidade do adversário, Alex Corretja, mas também com adversidades. Especialmente no primeiro set, as condições não estavam boas para o tenista brasileiro. Muito vento, uma certa garoa e o nervosismo colaboraram para deixar esta conquista ainda mais valiosa e difícil. "O vento atrapalhou muito", disse Guga. "Eu gosto de jogar sempre buscando a linha, tentando bolas arriscadas e tudo estava muito difícil", prosseguiu. "Além disso, o pó da quadra atrapalhou bastante, especialmente para mim que uso lentes de contato, mas, felizmente, no fim tudo deu certo." Sem querer parecer desculpa para uma derrota parcial no primeiro set, Guga realmente teve sua atuação prejudidada pelas condições do tempo. Em certa jogada, aplicou um lob bem dado (bola por cima do adversário). Mas, de repente uma rajada de vento diminuiu a força do ataque do brasileiro. Deu tempo para Correjta recuperar-se buscar o contra ataque e devolver a bola para a quadra de Guga. Só que com a areia penetrando em seu olho não o deixou em condições de executar bem um voleio e acabou perdendo o ponto. Como a sorte também faz parte da carreira de Guga, de repente, as condições do tempo melhoraram e pôde enfim jogar da maneira que mais gosta, atacando e dominando o adversário. "Acho que a partir do final do primeiro segundo set, joguei mais agressivo", afirmou. "Meu saque também começou a funcionar melhor e tudo ficou mais fácil." Mágico - Guga não poderia ter encontrado melhor palavra para definir sua conquista em Roland Garros. Ao dizer que este torneio é especial e sempre será o mais importante em seu coração, jamais poderia também imaginar que contaria com a ajuda de Deus. Como que por magia, o tempo melhorou em Paris e o brasileiro soube como impor seu melhor jogo. "Acho que é realmente mágico jogar neste torneio", disse. "Me sinto tão bem, pois é o lugar que gosto de estar", prosseguiu. "É como se esta quadra central fosse na minha cidade, em Florianópolis, e eu estivesse jogando no meu clube." Para Guga, como confirmou na entrevista após a partida, estava realmente muito difícil controlar a emoção nesta decisão. Sua vontade de ganhar, porém, parecia ser capaz de superar adversidades para encontrar seu objetivo. "Estava com uma vontade acima do normal vencer este jogo", afirmou Guga. "No começo estava complicado controlar a emoção e, de repente, me vi ganhando e tudo acabou dando certo como queria."

Agencia Estado,

10 de junho de 2001 | 19h11

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.