Guga e Sá eliminados nas duplas

Ainda cansado, depois da final de domingo em Lyon, da viagem e reclamando do pouco tempo de preparação para um novo torneio, Gustavo Kuerten transformou-se numa grande presa para o ´tigre asiático´, o tailandês Paradorn Srichaphan, que comprovou ser um tenista talentoso e venceu o brasileiro por 6/4 e 6/4, na estréia do Masters Series de Madri. Além de perder nas simples, Guga também jogou nesta terça-feira na chave de duplas. Ao lado de André Sá perdeu para o chileno Fernando Gonzalez e o norte-americano Andy Roddick por 6/3 e 6/4. Agora, Guga ainda tem mais um torneio pela frente, a partir do dia 28, em Paris, onde espera ter melhor sorte. "Só cheguei a Madri um dia antes da estréia e senti que ainda não estou no meu melhor nível", afirmou Guga, na entrevista coletiva em Madri. "Se tivesse pelo menos uns três dias para treinar nestas quadras, adaptar à superfície, a bolinha, poderia estar em melhores condições." Guga disse ainda que sem sentir muita confiança em seus golpes, em razão das diferenças de um torneio para outro, acabou abrindo a oportunidade para Srichaphan jogar de maneira bem mais agressiva. "Com certeza se tivesse tido mais tempo de preparação, a história poderia ter sido outra." A derrota não vai significar necessariamente queda no ranking mundial para Guga. O torneio de Madri substitui o de Stuttgart, em que no ano passado o brasileiro também perdeu na primeira rodada, caindo diante de Max Mirnyi. Assim, sem pontos para defender não terá prejuízos no ranking. "Gostaria de ter conseguido mais algumas vitórias neste fim de ano", contou Guga. "Mas ainda tenho um torneio pela frente, no Masters Series de Paris-Bercy e quem sabe eu possa alcançar minhas expectativas." Pela primeira vez em Madri, Guga chamou atenção até mesmo de grandes nomes do futebol, como o pentacampeão mundial Roberto Carlos, que esteve assistindo ao seu jogo. Na entrevista coletiva, o tenista brasileiro também foi uma atração e contou como tem sido seu ano, após a cirurgia. Revelou-se satisfeito com o seu atual momento. "Estou curtindo novamente jogar tênis", contou. "Os resultados estão chegando agora e sabia que teria um ano difícil com a cirurgia, mas estou chegando ao momento em que estou gostando muito de jogar e o recente título conquistado no Brasil foi muito importante para mim." Moyá sobrevive - Um dos ídolos da torcida local, Carlos Moyá - que entrou em quadra todo de preto, como se fosse o ´Zorro´ - teve de lutar muito para manter-se na competição. Depois de perder o primeiro set diante do chileno Fernando Gonzalez, reagiu vencendo os dois sets seguintes no tie-break, garantindo a vitória por 2 a 1, parciais de 2/6, 7/6 (7/4) e 7/6 (7/4). Em outros jogos desta terça-feira, Nicolas Lapentti ganhou de Michael Kratochvil por 7/6 (7/5) e 6/1, Ivan Ljubicic de Felix Mantilla por 6/3 e 6/4, Feliciano Lopez de Arnaud Clement por 7/6 (7/5), 3/6 e 6/4, Jan-Michael Gambill de Andrei Pavel por 7/6 (7/1) e 6/3, e Sebastien Grosjean de Xavier Malisse por 5/1 e desistência. Favoritos - Como na chave da maioria dos torneios do Masters Series, os cabeças-de-chave saem como bye e, por isso, estréiam apenas na rodada desta quarta-feira. A programação da quadra central terá as principais estrelas em ação: Tim Henman x Paradorn Srichaphan, Roger Federer x Marcelo Rios, Jan-Michael Gambill x Andre Agassi, Alex Corretja x Yevgeny Kafelnikov, e Nicolas Lapentti x Albert Costa. Na quadra um jogam Thomas Johansson x Magnus Norman, David Nalbandian x Andy Roddick, Tommy Haas x Fabrice Santoro, Jiri Novak x Rommy Robredo e Younes El Aynaoui x Feliciano Lopez.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.