Guga estréia às 7h30 contra Ivanisevic

No terceiro Masters Cup de sua carreira, Gustavo Kuerten joga para fazer história. Poderá transformar-se no 7º tenista do planeta a terminar o ano, pela segunda vez consecutiva, como o número 1 do mundo. Com isso, igualaria-se a nomes como Jimmy Connors, Bjorn Borg, John McEnroe, Ivan Lendl, Stefan Edberg e Pete Sampras. Mas antes de sonhar com essa possibilidade, Guga quer mesmo é fazer uma boa estréia, diante do croata Goran Ivanisevic, nesta terça-feira, às 7h30 de Brasília, com transmissão pela SporTV. "Não estou no meu melhor momento, venho de resultados ruins e sem muita confiança em meu jogo", disse Guga. "Acho que meu primeiro jogo pode mudar toda esta situação. Por isso, nada melhor do que começar com vitória, num torneio com tantos bons jogadores, quase todos com títulos de Grand Slam." A declarada falta de confiança de Guga não deve, porém, ser confundida com falta de motivação e sem esperanças de repetir o título conquistado em Lisboa ano passado. O tenista brasileiro chegou cedo em Sydney e sabe que poderá mudar todo este panorama de fim de temporada com boa campanha no Masters Cup. Mas adverte para as dificuldades da primeira partida. "O Goran é um jogador que não vai me dar ritmo na partida", reclamou Guga. "Tenho de ser agressivo, pois em todos os jogos neste torneio haverá muito equilíbrio e uma ou outra bola é que vai decidir o vencedor." Guga leva boa vantagem no retrospecto diante de Ivanisevic, tendo vencido cinco vezes, contra apenas uma derrota. E Goran lembrou disso. "Já ganhei de Guga uma vez em quadra coberta, e acho que posso fazer isso de novo", contou o simpático croata. A quadra em Sydney poderia dar certa vantagem para Ivanisevic, por ser rápida. Mas Guga confessa também que já está se acostumando a este tipo de piso. Especialistas dizem ainda que no SuperDome, o piso está bem mais lento do que em outras recentes competições disputadas no circuito europeu. Só que o tenista brasileiro não se entusiasmou com isso e saiu-se com ironias. "Preferiria mesmo que este torneio fosse disputado no saibro e em quadra aberta", disse. "Quem sabe no futuro isso venha a ser possível. Mas enquanto isso não acontece, acho que a boa experiência que tive no ano passado poderá valer agora."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.