Guga estréia na noite de domingo

Ninguém sabe definir exatamente se é uma honra ou uma "fria". Mas os organizadores do torneio colocaram o brasileiro Gustavo Kuerten para fazer o jogo de abertura do Australian Open. A partida diante do perigoso tenista francês Julien Boutter, número 53 do ranking mundial, será na quadra central, a Rod Laver Arena, às 11 horas de segunda-feira em Melbourne (22 horas deste domingo, no horário de Brasília), com transmissão da ESPN Internacional.Numa atmosfera ainda muito calma, sem a agitação da torcida, que está apenas começando a chegar, a abertura de um Grand Slam não é considerado um bom momento para se jogar tênis. Por alguns anos, os dirigentes tentaram dar a este jogo inicial uma importância maior, colocando o campeão do ano anterior em quadra. A moda não pegou e os protestos foram tantos que a tradição foi esquecida.No caso de Guga, nunca foi segredo que ele não costuma render o seu máximo em jogos marcados para logo cedo. O brasileiro demora para esquentar e, assim como muitos outros tenistas, prefere entrar na quadra quando o clima já está quente, com agitação da torcida e não com as arquibancadas vazias.Por causa desta característica dos jogos inaugurais, os torneios do Grand Slam passaram a ter partidas da chave feminina na abertura, já que a diferença de nível técnico entre as competidoras é maior do que no masculino e as favoritas passam sem muitos problemas pela primeira rodada. Entre os homens, a situação é bem diferente. Guga, por exemplo, vai ter pela frente um adversário de saque forte, especialista em quadras rápidas, como as do Melbourne Park, e que já venceu o brasileiro no único jogo que fizeram, ano passado, no ATP Tour da Basiléia, Suíça."Ele (Boutter) é um jogador de saque muito forte e vou ter de estar bastante concentrado nas devoluções de serviço, com paciência para esperar o melhor momento de tentar uma quebra", avisou Guga. "Uma primeira rodada é sempre muito importante e perigosa." Guga não colocou em discussão o horário do seu jogo, talvez preferindo deixar os comentários para depois da sua estréia. Mas, por ser o principal rival do xodó da torcida local, Lleyton Hewitt, ele sabe muito bem que os australianos não irão facilitar em nada suas ações no torneio. Já no ano passado, na disputa do Masters Cup, em Sydney, o tenista brasileiro sofreu nas mãos dos organizadores. Quando preparava-se para enfrentar o espanhol Juan Carlos Ferrero, num jogo que poderia mantê-lo na liderança do ranking mundial, apareceu um bando de crianças fazendo um barulho enorme nas arquibancadas, atrapalhando o seu aquecimento.A armadilha promete repetir-se agora em Melbourne, com Guga fazendo sua estréia num horário de discutível importância. Aliás, o brasileiro, número 2 do ranking mundial, sequer mereceu alguma indicação dos jornais australianos nas análises de performance dos favoritos ao título. É que ele jamais passou da segunda rodada do Aberto da Austrália e, provavelmente, este ano vai ter problemas novamente para superar esta marca.

Agencia Estado,

12 de janeiro de 2002 | 11h15

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.