Guga joga bem e vence na estréia

Enfim, Gustavo Kuerten voltou a jogar bem e vencer. Em uma partida emocionante, com forte participação da torcida e clima festivo, o ex-número 1 do mundo derrotou, nesta terça-feira, o norte-americano Paul Goldstein por 6/2, 6/7 (5/7), 6/3 e 7/6 (7/4), num resultado que deixou Guga mais do que entusiasmado. "Para mim é como se fosse a minha primeira vitória em um Grand Slam?. A alegria de Guga, compartilhada por uma agitada torcida na quadra 11 de Flushing Meadows, tinha mesmo bons motivos. Afinal, o tenista brasileiro, de tantas glórias, amargava um longo período de frustrações. Há mais de um ano não ganhava um jogo de Grand Slam - o último foi justamente em Roland Garros, em 2004. Mais do que isso, Kuerten não ganhava sequer um set desde maio, no Masters Series de Hamburgo, quando venceu o romeno Andrei Pavel. "Foi a vitória da superação", definiu Guga ao deixar a quadra, festejado por dezenas de torcedores, muito deles norte-americanos. "Estava há muito tempo à espera de um bom resultado, num torneio importante. Sei que estou muito feliz. Daqui pra frente tudo é lucro". Na próxima rodada, Guga terá pela frente o espanhol Tommy Robredo, tenista que venceu as últimas partidas diante do brasileiro, inclusive aplicando um 6 a 0. Mas para o brasileiro, o momento era de pensar nos progressos alcançados nas últimas semanas, confirmado pela vitória sobre Goldstein. "Acho que consegui suportar bem o calor, em um jogo com mais de três horas", avaliou Guga. "Foi mesmo um belo teste e repito. Estou mesmo muito feliz". Para Guga, o saque foi um fator determinante nesta sua vitória. No quarto set, por exemplo, aplicou 8 aces em apenas um game para empatar a série em 4 a 4, ir até o tie-break e evitar um quinto set, que poderia ser fatal. O brasileiro aplicou um total de 35 aces e mostrou também outro número impressionante na estatística com 99 winners, ou seja, bolas vencedoras. Mostrou que arriscou tudo o que podia e deu certo. O clima do jogo esteve perto ao de uma partida de futebol. A quadra 11, com arquibancadas apenas de um lado, ficou lotada. Curiosamente, Guga desperta também a torcida de norte-americanos, muitos com as cores do Brasil, num estilo fashion. Até mesmo uma pequena parte do público que estava no estádio Arthur Ashe assistia, de longe, ao encontro de Guga com Goldstein, despertados pela grande festa que acontecia numa das quadras secundárias do complexo. Com este jogo, Guga mostrou-se convencido de que pode novamente jogar bem. Sabe que ainda está longe de seu melhor nível, mas animou-se bastante com essa possibilidade. Para seu jogo diante de Tommy Robredo, provavelmente na quinta-feira, entrará em quadra muito mais confiante. "Sem dúvida, uma vitória sempre anima. É o nosso combustível".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.