Nabor Goulart/AP
Nabor Goulart/AP

Guga lamenta derrota, mas prevê bom futuro ao Brasil

'Tudo isso que aconteceu serve de lição para os caras', afirma o ex-tenista, após acompanhar a derrota

AE, Agencia Estado

20 de setembro de 2009 | 22h27

Presente no confronto entre Brasil e Equador, pela repescagem do Grupo Mundial da Copa Davis, no ginásio Gigantinho, em Porto Alegre, o ex-tenista Gustavo Kuerten lamentou a eliminação da equipe brasileira e a chance desperdiçada de voltar à elite da competição, o que não acontece desde 2003, quando Guga ainda jogava profissionalmente.  

 

Veja também:

especialTodas as notícias sobre a Copa Davis de tênis

"A situação estava complicada mesmo. O que fiz foi tentar falar coisas boas para o grupo, principalmente para o Marcos (Daniel, que perdeu a partida decisiva para Nicolas Lapentti). Mas o Lapentti se aproveitou de sua experiência de Copa Davis e cadenciou o jogo para vencer", afirmou Guga, que assistiu ao duelo juntos com os membros da delegação brasileira, em entrevista à SporTV.

O ex-tenista ressaltou ainda que os jogadores do Brasil têm de tirar uma boa lição deste confronto contra o Equador. Mesmo apesar da inesperada derrota. "Tudo isso que aconteceu serve de lição para os caras. O (Thomaz) Bellucci tem 20 anos e precisa vivenciar essas coisas. Mas eu vi todos passando vibração, força durante os jogos. Isso é legal. Faz com que a gente fique mais preparado para outros duelos", comentou.

Parado há mais de um ano, Gustavo Kuerten gostou do ambiente vivido nestes dias em Porto Alegre. "Não consigo me afastar por completo. Eram dois anos sem presenciar esse ambiente. Foi muito bom. Tênis para mim é emoção. Tive jogos memoráveis contra o (Sebastian) Grosjean e o (Lleyton Hewitt)", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisCopa DavisGustavo KuertenATP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.