Guga perde medo das quadras rápidas

Com a certeza de que pode fazer boas campanhas e garantindo que as quadras rápidas não têm mais mistérios, Gustavo Kuerten embarca nesta sexta-feira à noite para os Estados Unidos, para dois grandes desafios em torneios Masters Series, com premiação de US$ 3 milhões: joga a partir da próxima semana em Indian Wells e depois vai para Miami, para o Ericsson Open, competição em que foi vice-campeão no ano passado, quando fez a final com Pete Sampras. Guga ainda espera um fim de semana emocionante, em Indian Wells. Irá receber o prêmio de melhor jogador do ano de 2000, numa eleição anual da Associação dos Tenistas Profissionais (ATP) e ainda concorre ao jogador de mais esportividade e destaque entre os 12 tenistas indicados no programa "News Balls Please", grupo dos novos talentos do circuito profissional. "Não vejo mais mistério em jogar em quadras rápidas", garantiu Guga, hoje, em entrevista coletiva em Florianópolis, no clube Astel, onde treinou em superfície sintética, com o técnico Larri Passos. "O jogo passa a ser apenas mais agressivo, tenho de fazer uma certa mudança no efeito do saque e acho que em três dias vou estar bem adaptado." O principal temor de Guga em quadras rápidas sempre foi o de enfrentar adversários de saque e voleio, como o inglês Greg Rusedeski, que o eliminou na segunda rodada do Aberto da Austrália, este ano. Mas, confiante, o atual número 1 do mundo, diz que já está aprendendo os segredos para superar estes obstáculos. "Não gosto de enfrentar adversário de saque e voleio nas primeiras rodadas, pois costumo pegar o ritmo de jogo aos poucos", diz. "Nestes primeiros jogos, prefiro mesmo um espanhol, pela frente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.