Guga: prazer de voltar a jogar sem dores

A derrota para o croata Mario Ancic, na estréia do Masters Series de Montecarlo, por 7/5 e 6/2, não abalou o atual estágio de euforia de Gustavo Kuerten. Afinal, depois de muitos anos voltou a ter o prazer de jogar tênis sem ser incomodado pelas dores no quadril. "Esta foi a grande vitória para mim", disse Guga após a partida em uma entrevista coletiva em Mônaco. "Sinto que ainda não estou jogando o meu melhor tênis, mas entrei em quadra, fiz um jogo difícil com o Ancic e não senti qualquer dor. Isso para mim é mais importante do que vencer esta partida. Estou muito contente. Se continuar assim, provavelmente no final do ano serei o homem mais feliz do mundo." A história de dores no quadril de Guga começou coincidentemente no torneio de Montecarlo de 2001, quando conquistou o bicampeonato da competição. Na época, parecia tratar-se de um pubalgia e em janeiro de 2002 foi finalmente diagnosticada lesão no quadril direito. Só agora, em 2005, o tenista se diz livre do problema, que conviveu em várias vitórias, mas motivou diversos fracassos. Só mesmo sem dores, Guga voltou a ter alegria de jogar. Fez um bom primeiro set diante de Ancic, mas sentiu mesmo a falta de ritmo e cometeu diversos erros, tentando algumas jogadas erradas. "Em certas horas, não sabia o que fazer." Guga está tão satisfeito com sua atual situação que irá continuar por mais alguns dias em Montecarlo. Quer aproveitar para treinar com jogadores de alto nível. "Vou continuar jogando estes dias aqui. Sei que treinar não é o mesmo do que um jogo. Mas vai ser bom para mim. Meu próximo torneio será em Roma. Sei que preciso jogar mais, só que também não posso disputar várias competições seguidas. Espero ter mais sorte nos próximos torneios e fazer mais alguns jogos." Para Guga, estas três partidas na temporada européia foram significativas. Sua única vitória foi sobre o belga Oliver Rochus, que, nesta terça-feira, derrotou o croata Ivan Ljubicic, em Monte Carlo. "Tudo isso me deixa muito feliz. Acho que estou agora por volta dos 65% das minhas condições físicas e técnicas. Acredito que em Roland Garros estarei com 80%, o que para mim é muito mais do que esperava." Nos outros jogos do dia Roger Federer eliminou Greg Rusedski por 6/3 e 6/1, Marat Safin ganhou de Hyung Taik Lee, por 6/0 e 7/5, Mariano Zabaleta de Tim Henman por 6/4, 4/6 e 6/2, enquanto Carlos Moya foi superado por Mariano Puerta por 7/6, 1/6 e 6/3.

Agencia Estado,

12 de abril de 2005 | 18h07

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.