Guga quebra tabu e segue na Austrália

Enfim, Gustavo Kuerten conseguiu afugentar o fantasma australiano e, pela primeira vez na carreira, passou para a terceira rodada do Aberto da Austrália, ao derrotar o croata Ivan Ljubicic por 3 sets a 1, com parciais de 7/5, 6/7 (7/5), 6/4 e 6/3.Guga ainda esteve irregular, talvez ansioso pela possibilidade de quebrar um antigo tabu, mas soubeaproveitar as oportunidades e revelou muita garra para não deixar escapar a chance de seguir no torneio, depois de oito anos buscando uma boa campanha."Estou muito contente por ter passado para a terceira rodada, depois de tantas tentativas", revelou Guga, com nítido entusiasmo após a partida. "Minhas esperanças aumentaram bastante e acho que posso fazer um bom torneio." O próximo adversário de Guga será o tailandês Paradorn Srichaphan, que eliminou o francês Jerome Golmard.Com mais esta vitória, Guga diz ter melhorado bastante a confiança em seus golpes. Garante ter jogado bem melhor do que na primeira partida - contra John van Lottun -, em que chegou a perder a concentração, mas diante de Ljubicic sentiu-se motivado e disposto a tudo para conseguir um bom resultado. "Acho que se o jogo fosse para o quinto set, não teria problemas", avaliou o tenista. "Estou bem fisicamente e mentalmente forte para seguir lutando."Além da vitória de Guga, outros dois brasileiros celebraram um bom resultado em Melbourne. Na chave de duplas, André Sá e Flávio Saretta ganharam dos suíços Yves Allegro e Roger Federer por 6/4 e 6/4. Em outros jogos deste início de segunda rodada, Andre Agassi superou facilmente o checo Tomas Berdych por 6/0, 6/2 e 6/4, Nicolas Escude passou por Robin Soderling por 6/3, 7/6 (7/4) e 6/4, Sjeng Schalken ganhou de David Ferrer por 6/2, 6/2, 5/7 e 6/1, enquanto Todd Martin eliminou o gigante Ivo Karlovic por 7/6 (7/4), 7/6 (7/4) e 7/6 (9/7). No feminino, Amelie Mauresmo fez mais uma vítima ao marcar 6/0 e 6/2 em Ludmila Cercanova.

Agencia Estado,

21 de janeiro de 2004 | 02h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.