Guga quer esquecer derrota para Norman

Uma derrota para ser esquecida: este é o atual objetivo de Gustavo Kuerten, para não ver prejudicada toda a temporada européia de quadras de saibro. Afinal, tinha tudo para superar o sueco Magnus Norman, vencia por 6/1 e 5/2, mas o seu sonho de bela campanha, acabou se transformando em pesadelo ao cair na segunda rodada do Masters Series de Monte Carlo, com inacreditavel derrota para o sueco por 1/6, 7/5 e 6/2. "Tinha tudo para marcar uma vitória fácil por 6/1 e 6/2, mas acabou virando um pesadelo", definiu Guga, bastante abatido com o resultado. "É difícil lidar com uma derrota como essa. Estava próximo de alcançar uma terceira rodada com tranquilidade e deixei escapar." A impressão era mesmo que Guga passaria por Norman tão rápido como o vento que vem soprando estes dias em Mônaco. No primeiro set, o brasileiro arrasou o adversário com 6/1 e caminhava para uma classificação para as oitavas de final com uma vitória em dois sets em menos de uma hora. Mas aprendeu uma lição. "Estas coisas acontecem no saibro, mas nunca é bom. Poderia ter uma grande semana, mas cometi um deslize." Para Guga, o momento decisivo foi no 5 a 3 e saque no segundo set. O tenista disse que perdeu a concentração. "Deveria ter estado mais atento nos dois primeiros pontos daquele game", admitiu o tenista. "Faltou concentração, pois não tem essa de já ganhou. Agora é pensar em treinar e manter o foco para os próximos torneios." O técnico Larri Passos também lamentou bastante o resultado, mas vê como melhor alternativa "explodir esta derrota da cabeça do tenista para não prejucar a temporada." O treinador disse ainda que um jogo entre Guga e Norman é um clássico, assim como um Gre-Nal ou um Fla-Flu. "São jogos muito equilibrados, mas houve um excesso de confiança e a solução é seguir concentrado e treinar ainda mais." Para Passos o ideal teria sido Guga ter feito mais alguns jogos em Mônaco para ganhar ritmo e confiança. Mas, por outro lado, melhor que uma surpresa como essa tenha acontecido agora do que em Roland Garros, por exemplo. Para se lamentar ainda mais, a chave de Guga em Monte Carlo estava bem atraente. Nas oitavas-de-final enfrentaria o italiano Felippo Volandri, depois o vencedor de Vince Spadea e Ivan Ljubicic, ou seja, portas abertas para chegar a uma semifinal. Agora, Guga segue para Barcelona com esperanças de melhor campanha e ainda terá pela frente os Masters Series de Roma e Hamburgo, antes de Roland Garros. Em Monte Carlo, outra surpresa foi a eliminação de David Nalbandian para o italiano Felippo Volandri por 6/2 e 7/6 (8/6); Yevgeny Kafelnikov também perdeu para o finlandês Jarko Nieminen por 3/6, 6/2 e 6/2, enquanto Gaston Gaudio ganhou de Luiz Horna po r 6/4 e 6/1; Fernando Vicente de Rainer Schuettler, por 6/4 e 6/2; Ivan Ljubicic por 6/4 e 6/2; Vince Spadea de Arnaud Clement por 6/7 (7/4), 6/1 e 6/2; Juan Ignacio Chela de Jiri Novak por 6/4 e 6/2; Guillermo Coria de James Blake por 6/0, 6/7 (7/3) e 6 /3; Julien Boutter de Paradorn Srichaphan por 6/4, 4/6 e 6/4; Tommyu Robredo de Julien Benneteau por 6/2 e 6/2.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.