Guga: "Roland Garros é a meta"

Praia Brava; fim de tarde, sol quase indo, mas ainda forte. Bem próximo, o Quiosque do Pirata, com gente bonita, música ´lounge´, o som é do ´Buddha Bar by dj Ravin´. Neste cenário, o verão em Florianópolis (SC) é mesmo irresistível. Dá para entender a importância de às vezes viver num ´dolce far niente´. Encostado na areia branca, separado apenas por um trapiche, no alto do condomínio Águas da Brava, no terraço da cobertura, o ex-número 1 do tênis mundial, Gustavo Kuerten, tem uma visão privilegiada. De longe avista as ondas grandes. É hora de pegar a prancha e cair no mar."Coloca aí, as ondas são de dois metros", diz Guga com um sorriso de um misto de orgulho, por ter isso tudo em sua terra natal, e satisfação, por estar aproveitando, finalmente, o que a fortuna lhe proporcionou. "Há 15 anos não passava um verão em Floripa." O cabelo está mais claro - parafinado, talvez - e sem camisa mostra que está forte. Guga vem fazendo fisioterapia e academia. Na raquete só vai pegar depois do Carnaval, reiniciando os treinos com Larri Passos. Não quer apressar sua volta. "Aprendi muito com a primeira cirurgia e tirei minhas lições", diz o tenista cauteloso. "Apenas bati um bola nos últimos dias, para o médico observar meus movimentos." A volta às quadras vai sofrer mais um atraso. "Só lá por abril", diz o tenista que ainda não definiu se jogará a partir do dia 4 em Valência, ou um pouco mais para frente, no dia 11, no Masters Series de Montecarlo. "Mas não quero colocar muitas expectativas, pois assim posso apreciar melhor as vitórias que vierem, ter prazer nos bons resultados". O prazer vai ser um ponto importante nesta volta ao tênis para Guga. "Vou ter um ano decisivo. Se conseguir jogar com prazer, sem dores, posso definir quantos tempo ainda tenho pela frente." Mas, se a lesão incomodar, o destino do tenista poderá ser outro.Tetra - Apesar de duas cirurgias e dos vários meses afastado das quadras, Guga ainda quer o tetracampeonato de Roland Garros. Sabe que sua técnica é eficiente e orgulha-se de ter sido o único da temporada passada a vencer Roger Federer em um torneio do Grand Slam. Por isso, com o físico em ordem, basta treinar algumas semanas e partir para os torneios no saibro, onde já foi rei."Roland Garros é a minha meta. Quero chegar lá no melhor da minha forma", diz e já emenda nos comentários de Roger Federer, que revelou seu desejo de vingar-se do brasileiro. "Ele (Federer) está numa fase em que tudo encaixa perfeitamente e tem dado tudo certo, quando enfrenta um top ten. Faz lembrar àquela minha época em que só perdi três ou quatro partidas nas quadra de saibro. Ganhava um torneio atras do outro. Agora, acho que não consigo repetir isso, mas acho que ainda posso jogar de igual para igual." Antes de entrar na fase rígida de treinamentos, Guga isolou-se no norte da Ilha de Florianópolis, na praia Brava. Logo cedo, se avistar boas ondas vai surfar, ou deixa para o final da tarde. E como diz o seu técnico Larri Passos "tenho certeza de que o Guga vai jogar bem este ano. Está surfando, fazendo o que gosta e vai voltar aos treinos com a cabeça boa, pois está muito motivado.? Além do surfe, Guga costuma ainda dar uma corridinha na praia. Normalmente não é incomodado pelos locais e pode freqüentar o quiosque do Pirata para tocar seu contrabaixo, como fez no início da semana. Nestes últimos dias, porém, teve de abrir mão da rotina. Com a chegada do Carnaval e de muitos argentinos e outros turistas, o assédio tirou sua tranqüilidade. Fica então na piscina do prédio, vivendo seus dias com a namorada Letícia.Só que não se animou com o espírito casamenteiro de Lleyton Hewitt, que depois de desmanchar com Kim Cljisters, já pediu a atriz australiana Bec Cartwright. "Casar agora? Não, só depois de parar de jogar. Não vou casar para ficar viajando o ano todo." As atenções de Guga estão muito ligadas ao tênis. Ficou feliz com a possibilidade de Larri Passos assumir o cargo de capitão da Copa Davis."É o melhor nome, com certeza", garantiu o jogador. "Acho que a própria CBT vai ganhar mais prestígio. Afinal, tem muitas empresas querendo investir no tênis, mas precisavam de uma entidade séria. Acho que para a CBT vai ser importante contar com o Larri." Apesar de todo esse apoio, Guga não irá acompanhar a equipe no confronto diante da Colômbia, em Bogotá, como chegou a ser comentado. "Acho que situação da CBT não é para isso. Mais importante do que minha presença é economizar dinheiro, viajar só com o técnico, mais cinco jogadores, para ter um reserva e pronto." Com a cara boa, Guga disse que está muito motivado para voltar às quadras. Está a espera de um novo contrato de roupas - no ano passado jogou de branco ou com a marca da Head - para não ter muitas preocupações e colocar todo o foco no que mais gosta: jogar e vencer.

Agencia Estado,

06 de fevereiro de 2005 | 12h34

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.