Guga terá chave difícil em Stuttgart

Não bastasse o tempo ruim: céu cinzento, chuva fina e frio, tudo isso em pleno verão na Alemanha, Gustavo Kuerten não terá vida fácil nessa sua volta ao circuito internacional, em busca do título do Torneio de Stuttgart. Guga caiu numa chave bastante difícil e o caminho para mais um título na sua carreira promete ser um desafio e tanto. O tenista brasileiro ainda assim é o principal favorito e sua estréia será diante do vencedor da partida entre o australiano Andrew Ilie e o alemão Lars Burgsmuller, que jogam nesta segunda-feira, se o tempo deixar.O ATP Tour de Stuttgart, com US$ 800 mil em prêmios, tem 48 jogadores na chave principal, por isso, Guga e todos os outros cabeças saem como ?bye?, iniciando o torneio na segunda rodada. O lado do brasileiro está cheio de armadilhas, como o equatoriano Nicolas Lapentti, o francês Fabrice Santoro, o eslovaco Dominik Hrbaty e o marroquino Hicham Arazi.Nenhum jogador gosta de comentar o futuro no torneio. Alguns até dizem que não costumam sequer ver a chave. Todos preferem comentar apenas o próximo adversário.Mesmo assim, é inevitável lembrar que se Guga passar pela estréia poderá, já no jogo seguinte, encontrar-se novamente com o norte-americano Michael Russel, que se tornou famoso por ter conseguido um match point diante de Guga, em sua campanha do tricampeonato de Roland Garros.Michael Russel, até então um jogador quase desconhecido, agora virou atração. Muitos promotores de torneios tentaram levá-lo ao Brasil, mas os alemães andaram rápido e deram um wild card (convite) para ter o norte-americano jogando em Stuttgart. Um novo desafio diante de Guga seria uma das maiores atrações do torneio. Mas, como dizem os próprios jogadores, é preciso andar passo a passo. E nesta segunda-feira, Russel terá uma estréia difícil diante do espanhol Tommy Robredo, uma das principais revelações do tênis mundial.Num domingo de muito frio e chuva, nem mesmo o torneio qualificatório de Stuttgart deu para chegar ao fim. Com isso, nem todos os jogadores conseguiram treinar normalmente, entre eles Guga. A alternativa da maioria foi deixar o hotel, atravessar a rua e cuidar da preparação física num bonito e bem montado centro de treinamento.Para Guga a situação parece tranqüila. Chegou com antecedência em Stuttgart e já pôde treinar o bastante para ganhar uma boa adaptação. Além disso, no saibro é sempre um jogador difícil de ser batido. Só este ano, ostenta o recorde de 31 vitórias nesta superfície, contra apenas três derrotas, sem contar o fato de ter conquistado quatro títulos (Buenos Aires, Acapulco, Monte Carlo e Roland Garros) nos dez torneio que disputou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.