Guga vence fácil e agora pega Federer

Roland Garros faz um bem incrível para Gustavo Kuerten. Mesmo longe de suas melhores condições físicas e ainda sofrendo com dores no quadril, conseguiu uma vitória arrasadora na segunda rodada do torneio.Ganhou do belga Gilles Elseneer por 3 a 0, parciais convincentes de 6/2, 6/0 e 6/3. Agora, vem o grande desafio: enfrenta o número 1 do mundo, o suíço Roger Federer, em partida programada para este sábado."Sabia que depois de enfrentar na primeira rodada àquele maluco (Nicolas Almagro), que batia todas as bolas, iria me sentir mais confortável e confiante em quadra", revelou Guga. "Já posso dizer que estou muito feliz em vencer dois jogos, mas agora vem um desafio e tanto e estou extra motivado para jogar com Federer." Para desafiar o suíço, Guga cumpriu seu plano. Num dia de sol forte e calor em Paris, não precisou se desgastar tanto para vencer Elseneer, como foi obrigado nos cinco sets da estréia com Almagro. Desde o início da partida, o brasileiro procurou se impor, usando como tática atacar sempre, bater forte na bola até atingir seu objetivo de vencer em jogo rápido.Como no Maracanã - Em pouco mais de 1h20, Guga fez a festa da torcida na quadra dois de Roland Garros. Com pouco mais de 1,5 mil lugares, já era mesmo de se esperar que torcedores ficariam apertados nas arquibancadas e as filas para a partida do brasileiro começaram uma hora antes da partida. O clima era de um jogo de futebol, especialmente pelo atual apelo da camisa de Guga. Ele está usando um novo uniforme da Head nas cores vermelho e preto. Parece que a semelhança atraiu a torcida carioca rubro negra, com vários torcedores com a camisa do Flamengo. Para Guga, as novas cores ajudaram."Sempre simpatizei muito com o Flamengo, embora sempre me mantenha fiel ao Avai (sei time de coração)", avisou Guga. "Mas foi bem legal, ouvir a torcida cantar o hino do Flamengo e "Poeira". Deu sorte." A Head, segundo um de seus diretores que está em Paris, Markus Haemmerle, não pensou em fazer qualquer relação com o time de futebol brasileiro, mas está feliz com o resultado da coincidência.Para Guga, qualquer ajuda é bem-vinda, ainda mais agora que vai desafiar o número 1 do mundo. Os dois já se enfrentaram por duas vezes, com uma vitória para cada um. Ambos os jogos foram depois de o brasileiro ter passado pela cirurgia. O primeiro em 2002 em Hamburgo, com vitória do suíço, e depois em 2003 em Indian Wells, numa campanha em que Guga chegou a final."Enfrentar Federer é sempre muito difícil. É um jogador versatil, completo, não tem golpes que sejam fracos, vulneráveis", define Guga. "É um número 1, com muitos recursos, que está um degrau acima de todos os outros jogadores."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.