Pete Staples| Divulgação
Pete Staples| Divulgação

Guilherme Clezar enfrentará suíço Chiudinelli na estreia do US Open

Assim como o brasileiro, rival da primeira rodada também veio do qualifying

Estadão Conteúdo

26 de agosto de 2016 | 20h34

Depois de se garantir na chave principal do US Open pela primeira vez na carreira nesta sexta-feira, o brasileiro Guilherme Clezar ficou sabendo horas mais tarde qual será seu adversário na primeira rodada do torneio. O número 203 do ranking da ATP deu sorte no sorteio e terá pela frente o suíço Marco Chiudinelli, que, assim como ele, veio do qualifying.

Clezar poderia ter adversários bem mais complicados, como o francês Jo-Wilfried Tsonga, nono cabeça de chave, ou o belga David Goffin, 12.º, que esperavam o fim do qualifying para conhecerem seus rivais na estreia. No entanto, o sorteio colocou o brasileiro frente a frente com Chiudinelli, somente o 144.º do ranking.

Para chegar à chave principal do US Open, Clezar passou por três adversários no qualifying: o argentino Facundo Arguello e os norte-americanos Tim Smyczek e Alexander Sarkissian. Antes de conseguir ir à chave principal nos Estados Unidos, o brasileiro amargou 13 eliminações em qualifyings de torneios de Grand Slam.

Se ele deu sorte no sorteio, os outros brasileiros não podem dizer o mesmo. Número 1 do País e 62 do mundo, Thomaz Bellucci vai encarar o russo Andrey Kuznetsov, que ocupa a 42.ª colocação no ranking. Na única vez em que se enfrentaram, Bellucci foi derrotado. Por isso, espera confronto complicado na estreia.

"Ele (Kuznetsov) é um jogador que não tem muito ponto fraco, gosta de jogar reto e que nesse tipo de quadra torna-se perigoso e pode ganhar de qualquer um", avaliou Bellucci. "Será importante variar as alturas das bolas e tirar um pouco do ritmo do jogo."

Já Rogério Dutra Silva terá tarefa ainda mais ingrata. O número 109 do mundo encarará o sétimo cabeça de chave do US Open, o croata Marin Cilic, campeão do Grand Slam norte-americano em 2014.

"Ele (Cilic) vem embalado, foi campeão em Cincinnati (Masters 1000), foi semi aqui no ano passado e já foi campeão em 2014. Vou fazer o meu melhor, ir sentindo o jogo e tentar aproveitar as chances", comentou Rogerinho. "Estou me sentindo bem. É um lugar que já fiz boas partidas, espero colocar tudo isso em prática."

Tudo o que sabemos sobre:
us openguilherme clezarTênis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.