Christophe Archambault/AFP
Christophe Archambault/AFP

'Há um ano, eu nem sonhava que poderia terminar 2017 como número 1', diz Nadal

Vitória sobre sul-coreano nesta quarta-feira garante liderança do ranking mundial para o espanhol

Estadão Conteúdo

01 Novembro 2017 | 17h46

Rafael Nadal comemorou muito nesta quarta-feira a boa vitória sobre o sul-coreano Hyeon Chung por 2 sets a 0, com parciais de 7/5 e 6/3, em sua estreia no Masters 1000 de Paris, resultado que o garantiu como número 1 do mundo até o final de 2017. Feliz com o feito, o espanhol comentou que sequer sonhava com a possibilidade antes de abrir esta temporada.

+ Bruno Soares ganha nas duplas e avança às quartas no Masters 1000 de Paris

+ Bia Haddad Maia supera as lesões e tem seu melhor ano no tênis

"Há um ano, para ser sincero, eu nem sonhava que poderia terminar como número 1 novamente no fim desta temporada", contou o espanhol, que começou 2017 apenas como o nono do ranking. "Foi um ano incrível."

Trata-se, aliás, de um feito histórico. Jamais um tenista com mais de 30 anos terminou uma temporada como número 1 desde a criação do ranking da ATP - Nadal tem 31. E, para quebrar a marca, ele precisou se recuperar de inúmeras lesões que atrapalharam sua carreira nos últimos anos.

Essa batalha, segundo ele, tornou a conquista ainda mais especial. "Era impossível para mim pensar em ser o número 1 voltando após um duro período sem jogar, com muitas contusões nos últimos dois anos", relembrou o espanhol, que terminou uma temporada como número 1 em 2008, 2010 e 2013. "Significa muito repetir o feito quase dez anos depois da primeira vez."

Nadal, por fim, contou que o feito representa sua dedicação ao tênis. "Isto é sobre a paixão pelo que você faz. É sobre a mentalidade de acordar toda manhã com a motivação para ir à quadra e melhorar algo. É uma mentalidade vencedora, não?", acrescentou. "A paixão por melhorar algo e treinar todo dia com a atitude correta para tentar fazer as coisas acontecerem... Não são todos que conseguem fazer isto."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.