Hewitt e Escude abrem final da Davis

Fim do mistério e do jogo de bastidores. Depois da realização do sorteio da ordem dos jogos, em Melbourne, a decisão do título da Copa Davis entre Austrália e França promete ser emocionante desde o primeiro encontro de simples. Afinal, esta partida de abertura reunirá dois excelentes jogadores em pisos rápidos, como é o caso da grama "plantada" na Rod Laver Arena especialmente para esta disputa. O australiano Lleyton Hewitt e o francês Nicolas Escude começam o confronto às 22 horas desta quinta-feira (horário de Brasília), com transmissão pela SporTV. Em seguida, jogam Patrick Rafter e Sebastien Grosjean. Todos os duelos serão disputados em melhor-de-cinco sets.O clima de rivalidade já começa no retrospecto do primeiro jogo da série: Hewitt e Escude estão empatados com duas vitórias cada, com um detalhe importante. Na última partida disputada em uma quadra de grama, a vitória foi do tenista francês, justamente no torneio de Wimbledon deste ano, com resultado de 4/6, 6/4, 6/3, 4/6 e 6/4.Nos outros jogos entre os dois: em Miami/98, Escude ganhou por 6/4, 3/6 e 6/4; em Adelaide/2000, Hewitt venceu por 3/6, 6/1 e 6/4; e em Indian Wells/2001, o australiano também levou a melhor com 6/1 e 6/3. Todos os jogos foram disputados em superfícies consideradas rápidas.Este primeiro jogo da final da Davis é considerado como decisivo para as ambições das duas equipes. Os australianos depositam no atual número 1 do mundo as suas maiores esperanças de conquistar o 28º título da história da competição. Afinal, Hewitt vem conseguindo excelentes resultados nos últimos meses. Neste segundo semestre, ele ganhou o US Open e, há duas semanas, conquistou o Masters Cup de Sydney, competição em que também alcançou a liderança do ranking mundial.Hewitt é um jogador audacioso e que costuma se superar na Copa Davis. Tem um retrospecto invejável nesta disputa entre países, com 16 vitórias contra quatro derrotas. Neste ano, ele não perdeu nenhum dos seis jogos disputados - ganhou até do brasileiro Gustavo Kuerten, na quadra de saibro em Florianópolis.Nicolas Escude, que até o último minuto ficou "guardado" como arma secreta do capitão francês, Guy Forget, entra com a responsabilidade de tentar surpreender os australianos e também carrega um bom retrospecto na Davis. Ele jamais perdeu um jogo nesta competição, em seis partidas disputadas.A segunda partida de simples, também nesta quinta-feira à noite, terá Patrick Rafter, que esteve com sua participação em dúvida por causa de uma já crônica contusão no ombro. Mesmo assim, o tenista australiano está escalado pelo técnico John Fitzgerald e vai enfrentar o baixinho Sebastien Grosjean, jogador para quem perdeu seu último jogo, realizado recentemente no Masters Cup de Sydney, com parciais de 7/6 e 6/3. Rafter tem uma vitória sobre o francês: em Miami/2002, ele ganhou por 2/6, 6/4 e 6/3.Para a partida de duplas - com início programado para 1 hora da manhã de sábado, no horário de Brasília -, a Austrália escalou Todd Woodbridge e Wayne Arthurs, enquanto a França escolheu Cedric Pioline e Fabrice Santoro. A confirmação de Pioline era uma carta escondida na manga de Guy Forget, que, a princípio, havia colocado Arnaud Clement na equipe francesa e, no último minuto, fez a mudança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.