Marcello Zambrana/Divulgação
Marcello Zambrana/Divulgação

Juan Monaco cai no Brasil Open e reclama de torcedores

Argentino culpou torcedores alcoolizados que ficaram vaiando quando ele sacava

Alessandro Lucchetti e Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

28 de fevereiro de 2014 | 19h08

SÃO PAULO - Juan Monaco, ex-top ten e terceiro cabeça de chave do Brasil Open, deu adeus ao torneio na quinta-feira, ao ser derrotado pelo italiano Paolo Lorenzi que, aos 32 anos, chega a uma semifinal de torneio ATP pela primeira vez na carreira. As parciais foram 7/6 (8-6), 6/7 (4-7) e 6/4.

O argentino de 29 anos encerra assim uma passagem por São Paulo que não foi das mais agradáveis. A culpa recai sobre um grupo de cinco torcedores visivelmente alcoolizados, com idade entre 35 e 40 anos, que ficaram provocando ruídos quando Monaco e seu parceiro sacavam. O episódio se deu na quadra 1, na quinta-feira, durante partida de duplas - Monaco e seu parceiro, Maximo Gonzales, foram batidos nas quartas de final por 2 a 1 por Guillermo Garcia-Lopez (ESP) e Philipp Oswald (AUT), os algozes de Bruno Soares e Alexander Peya.

Segundo relatos de alguns dos raros torcedores presentes, os torcedores "miavam" quando os argentinos sacavam. "Não vejo sentido em alguém querer fazer graça com 40 anos de idade", declarou Monaco nesta sexta-feira. Irritado, o jogador pediu a intervenção da arbitragem, que acionou a Polícia Militar. Os policiais retiraram os torcedores da quadra.

"Nós, argentinos, somos muito bem tratados aqui no Brasil, e os brasileiros são muito bem tratados lá também. Mas alguns torcedores nutrem uma rivalidade quando há um campo de jogo no meio. Acho que algumas coisas são aceitáveis no futebol, mas o tênis é um esporte tranquilo, que exige concentração. O respeito aos jogadores é importante. Provocações desse tipo me parecem ilógicas", declarou Monaco.

Obrigado por uma lesão no punho a encerrar a temporada 2013 mais cedo, Monaco caiu no ranking e está buscando uma recuperação neste início de temporada. Parece motivado. "Estou bem fisicamente, e a cada partida vou evoluindo um pouco mais. Neste jogo (contra Lorenzi), não quero tirar os méritos do meu rival. Ele teve ideias mais claras do que eou no final da partida e venceu".

Monaco disse que está extraindo importantes lições. "Pode-se tirar proveito de todos os jogos. Estou aprendendo a ser mais paciente. Quando você fica nervoso, fica mais próximo de perder. Tenho que ser mais agressivo também e scar melhor. Mas o importante é que estou voltando a sentir boas sensações na quadra".

Tudo o que sabemos sobre:
Brasil OpenTênisJuan Monaco

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.