Kim Kyung-Hoon/Reuters
Kim Kyung-Hoon/Reuters

Kvitova testemunha em julgamento de acusado de ataque a faca

Ainda não há data certa para a divulgação do veredicto do caso que ocorreu em dezembro de 2016

Redação, Estadão Conteúdo

05 de fevereiro de 2019 | 17h59

Atual número dois do mundo, a checa Petra Kvitova testemunhou nesta terça-feira no julgamento do homem acusado de ter perpetrado o ataque a faca que quase acabou com sua carreira no tênis, em dezembro de 2016. Ainda não há data certa para a divulgação do veredicto do caso.

Kvitova precisou dar testemunho no caso a pedido do advogado do acusado, Radim Zondra, de 33 anos. Presente no local, na cidade de Brno, a checa não chegou a ter contato com o réu. Seu testemunho foi dado em outra sala, no mesmo prédio, e veiculado por vídeo ao vivo.

A checa sofreu o ataque a faca em sua casa, na cidade de Prostejov, também na República Checa. No testemunho, ela forneceu maiores detalhes sobre o episódio. Kvitova contou que abriu a porta para Zondra porque esperava por uma possível dos agentes do controle antidoping.

O acusado teria alegado que estaria em visita à casa da atleta para inspecionar o aquecedor de água. E, quando ambos estavam no banheiro para checar a temperatura da água, a tenista disse que, repentinamente, o acusado a segurou por trás e colocou uma faca perto do seu pescoço.

Ela, então, segurou a faca com ambas as mãos e a lâmina acabou causando diversas lesões em suas mãos, principalmente na esquerda, com a qual joga em quadra. A atleta precisou passar por diversas cirurgias no local em razão dos danos causados aos tendões, nervos e aos cinco dedos. A operação, na época, durou quase quatro horas.

Após o ataque, ela perdeu muito sangue e o agressor só deixou sua casa depois que ela conseguiu lhe entregar 10 mil coroas checas (cerca de R$ 1,6 mil). "Eu estava gritando, claro, porque havia sangue por todo lado", declarou Kvitova, que precisou de cinco meses para se recuperar totalmente das lesões nas mãos.

No julgamento, o acusado alega ser inocente. Se condenado, poderá pegar até 12 anos de prisão. Zondra já está preso, sob condenação em outro caso.

Recuperada das lesões, Kvitova demorou para se reabilitar no circuito em 2016 e só voltou a jogar em alto nível no ano seguinte. Em 2018, foi a tenista que mais faturou troféus na temporada. E, neste início de ano, a dona de dois títulos em Wimbledon foi vice-campeã do Aberto da Austrália.

 

 

Mais conteúdo sobre:
Petra Kvitovatênis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.