Alexandra Beier / Reuters
Alexandra Beier / Reuters

Lenda do tênis, Boris Becker tem falência decretada por dívida bancária

Alemão é tricampeão de Wimbledon, bi do Australian Open e conquistou o American Open uma vez

Estadão Conteúdo

21 de junho de 2017 | 12h18

Lenda do tênis, o alemão Boris Becker foi declarado falido nesta quarta-feira pela juíza de um tribunal britânico, que revelou tê-lo visto atuando em Wimbledon, após o ex-jogador não conseguir pagar uma dívida antiga com um banco.

O advogado do dono de seis títulos de torneios do Grand Slam pediu a um tribunal de falências de Londres uma última chance para Becker pagar uma dívida que tem com o banco privado Arbuthnot Latham & Co. desde 2015, mas não teve êxito na sua tentativa.

A juíza Christine Derrett disse que faltam evidências reais de que a dívida seria paga em breve. Ela se recusou a adiar o caso por mais 28 dias e anunciou um pedido de falência. "Tenho a impressão de um homem com a sua cabeça enterrada na areia", afirmou.

O advogado de Becker, John Briggs, argumentou que havia provas suficientes para mostrar que o alemão teria condições de pagar a dívida através de um acordo de refinanciamento, com a utilização de uma propriedade em Maiorca, na Espanha. Ele declarou que havia a expectativa de que o acordo fosse fechado em um mês, o que lhe renderia 6 milhões de euros (aproximadamente R$ 22 milhões).

Briggs também disse que Becker é "um indivíduo sofisticado quando se trata de finanças", e que a falência provavelmente teria um efeito adverso sobre a imagem de Becker. "Ele deveria ter pensado nisso há muito tempo", rebateu a juíza.

Becker, de 49 anos, tem residência em Londres e recentemente treinou o sérvio Novak Djokovic, além de ser comentarista de partidas de tênis na TV, tendo se aposentado das quadras em 1999. Esse não é o seu primeiro problema financeiro, pois em 2002 foi condenado por evasão fiscal.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisBoris Becker

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.