Brad Penner/US Open
Brad Penner/US Open

Luisa Stefani avança à semifinal do US Open e faz história no tênis brasileiro

Desde 1982 que uma tenista do Brasil não conseguia ir tão longe em um Grand Slam, quando Cláudia Monteiro e Cássio Motta foram vice-campeões de duplas mistas em Roland Garros

Redação, O Estado de S.Paulo

08 de setembro de 2021 | 16h08
Atualizado 08 de setembro de 2021 | 19h41

Luisa Stefani fez história nesta quarta-feira. A tenista paulista se tornou a primeira brasileira em uma semifinal de Grand Slam em 39 anos ao avançar no US Open. Ela e a parceira canadense Gabriela Dabrowski derrotaram as checas cabeças de chave 15, Marie Bouzkova e Lucie Hradecka, por 2 sets a 1, com parciais de 6/4, 4/6, e 6/1, após 1h58min de duração

Desde 1968 que uma tenista do Brasil não ia tão longe no US Open. Naquele ano, Maria Esther Bueno ficou com o título de duplas ao lado da australiana Margaret Court. Maior vencedora do tênis brasileiro, Esther conquistou sete títulos de Grand Slam em simples, 11 em duplas e mais um nas duplas mistas. Sua última conquista foi também a única na Era Aberta do tênis. Já em 1982, Cláudia Monteiro e Cássio Motta foram vice-campeões de duplas mistas em Roland Garros.

Para chegar à final, Stefani e Dabrowski, cabeças de chave número 5, ainda não sabem quem vão enfrentar. Elas terão pela frente as vencedoras do duelo entre as cabeças de chave número 1, a belga Elise Mertens, líder do ranking da WTA, e a taiwanesa Su Hsieh, campeãs de Wimbledon, e a dupla americana formada por Coco Gauff e Catherine McNally.

"Muito feliz, será minha primeira semifinal de Grand Slam, obviamente não acabamos por aqui. Cada jogo tem sido duro, difícil, passando por altos e baixos, mas o mais importante é a gente conseguir superar esses momentos difíceis e se manter com a postura certa, a intensidade alta", afirmou Luisa. "Fizemos isso no terceiro set. Levantamos o ritmo e nível de jogo e fomos mais agressivas desde o começo, jogando melhor, sacando melhor, nos mexendo melhor e a energia foi essencial para fechar o jogo. Estou muito feliz com esse final e vamos levar esse embalo para o próximo jogo."

O momento de Stefani e Dabrowski no circuito é excelente. A parceira disputou três torneios preparatórios para o US Open e chegou à final em todos eles, com um título em Montreal, no Canadá, e vice-campeonatos em San Jose e Cincinnati, ambos nos Estados Unidos.

Nesta quarta, as duas mais uma vez não encontraram facilidade para ir às semifinais. A brasileira e a canadense salvaram dois break points no terceiro game, conseguiram uma quebra no oitavo, levaram o troco no nono, mas bateram o saque das checas de novo no décimo e último para vencer o primeiro set.

O equilíbrio foi visto também no segundo set, no qual detalhes fizeram a diferença. A dupla da brasileira com a canadense errou no quinto game e a falha foi crucial para o revés na parcial. Elas tiveram o saque quebrado e depois não tiveram chances para reagir.

Contudo, no set decisivo, Stefani e Dabrowski cresceram e foram dominantes, conseguindo duas quebras e cedendo só um game a Bouzkova e Hradecka.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.