Andrew Gombert/EFE
Andrew Gombert/EFE

Maior dupla da história do tênis, irmãos Mike e Bob Bryan encerram a carreira

Aos 42 anos, gêmeos decidem que nem vão disputar o US Open, que começará nesta segunda-feira

Redação, Estadão Conteúdo

27 de agosto de 2020 | 12h24

Maior dupla da história do tênis, detentores de diversos recordes na modalidade, os irmãos gêmeos americanos Bob e Mike Bryan colocaram um ponto final em suas respectivas carreiras na noite de quarta-feira. Em entrevista ao jornal americano The New York Times, os dois, que têm 42 anos, revelaram a aposentadoria imediata e nem disputarão o US Open, Grand Slam em Nova York que começará nesta segunda.

"Nós dois sentimos nas entranhas que é o momento certo", disse Mike Bryan, o mais velho dos gêmeos, com diferença de apenas dois minutos. "Nessa idade dá muito trabalho sair e competir. Ainda adoramos jogar, mas não adoramos deixar nossos corpos prontos para viajar. A recuperação é mais difícil. Sentimos que fomos competitivos este ano, no ano passado, no ano anterior. Queremos sair agora, onde ainda temos um bom tênis".

Ao longo de 22 anos de carreira foram 119 títulos, sendo 16 de Grand Slam. Eles ficaram por 438 semanas na liderança do ranking mundial da ATP e terminaram 10 temporadas como a melhor dupla do mundo. Além disso, conquistaram juntos a medalha de ouro para os Estados Unidos nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012, na Inglaterra.

"Éramos praticamente invencíveis durante aqueles anos", disse Bob Bryan. "Quando tínhamos uma pausa no saque, sorriamos, e nenhuma negatividade entrou em nosso jogo", completou.

Entre 2012 e 2013, os irmãos Bryan tiveram uma sequência de quatro títulos de Grand Slam, somados à conquista do ouro olímpico em Londres, concluindo um "Golden Slam fora de época", já que a série de triunfos começou pela medalha, seguida pelo US Open também em 2012, o Aberto da Austrália, Roland Garros e Wimbledon, estes três no ano seguinte.

O plano inicial era encerrar a carreira no US Open deste ano, diante do público. Porém, com a chegada da pandemia do novo coronavírus em março, a paralisação do circuito profissional por cinco meses e a confirmação de que o Grand Slan em Nova York seria realizado sem a presença dos fãs, Bob e Mike optaram por confirmar a aposentadoria.

"Não estávamos neste último ano apenas para jogar as partidas e ganhar pontos ou ganhar dinheiro", disse Bob. "Foi para realmente agradecer a todos e sentir o clima uma última vez. As multidões são o que torna o US Open mágico em nossas mentes. Nós realmente aplaudimos o Aberto dos Estados Unidos por ser realizado, além de todo o trabalho que eles colocaram para devolver o tênis aos fãs na TV e dar aos jogadores a oportunidade de competir novamente e ganhar dinheiro. Mas simplesmente não era certo para nós".

O último troféu erguido pela dupla foi no ATP 250 de Delray Beach, nos Estados Unidos, em fevereiro deste ano, antes da pandemia da covid-19 ser decretada.

"Dedicamos mais de 20 anos ao circuito e agora estamos ansiosos para o próximo capítulo de nossas vidas. Dito isso, nos sentimos muito abençoados por termos sido capazes de jogar duplas por tanto tempo, gratos pelas oportunidades no início do ano de jogar e dizer adeus aos fãs. Vencer nosso evento final em Delray Beach e fechar a eliminatória da Copa Davis em Honolulu são momentos que vamos lembrar e amar para sempre", complementou Mike.

Tudo o que sabemos sobre:
tênisMike BryanBob Bryan

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.