Divulgação
Divulgação

Marcelo Melo e Dodig encaram irmãos Bryan na final em Washington

Decisão traz as duas melhores duplas de tênis da atualidade

Estadão Conteúdo

08 Agosto 2015 | 22h33

As duas melhores duplas da atualidade farão neste domingo a decisão do Torneio de Washington, um ATP 500 realizado na capital dos Estados Unidos. Neste sábado, o brasileiro Marcelo Melo e o croata Ivan Dodig venceram o polonês Marcin Matkowski e o sérvio Nenad Zimonjic, cabeças 4, por 2 sets a 0 - com parciais de 6/0 e 6/4, em 53 minutos - e enfrentarão a melhor parceria do mundo, formada pelos irmãos gêmeos norte-americanos Bob e Mike Bryan.

Para festa da torcida local, os irmãos Bryan derrotaram o indiano Rohan Bopanna e o romeno Florin Mergea, cabeças 3, por 6/3 e 6/4. E a decisão deste domingo será uma reedição da final de Roland Garros, em Paris, em junho, quando o brasileiro e o croata se sagraram campeões.

Esta será a 10.ª final de Marcelo Melo e Ivan Dodig juntos. A parceria soma três títulos, dois nesta temporada - Roland Garros e o ATP 500 de Acapulco, no México. Atual número 3 do mundo, o mineiro de 31 anos busca o 16.º troféu em sua 33.ª final. Dodig, 4.º entre os duplistas, irá decidir um ATP apenas pela 12.ª vez e só tem troféus ao lado de Melo (3).

SIMPLES

Na reedição da decisão do US Open do ano passado, o japonês Kei Nishikori conseguiu dar o troco no croata Marin Cilic em território norte-americano. Neste sábado, superou o rival por 2 sets a 1 - com parciais de 3/6, 1/6 e 6/4 -, e se garantiu na decisão do torneio.

Foi o sexto triunfo de Nishikori sobre o croata no circuito profissional. O japonês leva vantagem no confronto, já que Cilic venceu o asiático em três oportunidades. Só que o europeu superou o nipônico no duelo mais importante entre os dois: a decisão do US Open, em Nova York.

Na final, Nishikori terá pela frente o norte-americano John Isner, que teve muito trabalho para ganhar do compatriota Steve Johnson por 2 sets a 1 - com parciais de 6/3, 3/6 e 7/6 (11/9).

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.