Toby Melville/Reuters
Toby Melville/Reuters

Martina Navratilova diz que pandemia prejudica mais Federer e Serena

Ex-tenista aponta os dois como possíveis afetados pela paralisação por serem esportistas mais velhos

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de maio de 2020 | 13h07

Uma das lendas do tênis feminino, a checa Martina Navratilova acredita que a interrupção do circuito, em razão da pandemia do novo coronavírus, vai prejudicar mais os veteranos do que os jovens atletas. O suíço Roger Federer e a norte-americana Serena Williams serão os mais afetados, avalia a dona de 18 títulos de Grand Slam em simples.

"Somente a guerra impediu os Grand Slams de serem disputados e agora temos essa pandemia e, para jogadores como Roger Federer e, claro, Serena Williams, é um tempo perdido", disse a ex-tenista, que é membro da Academia Laureus e concedeu entrevista ao site Laureus.com.

"Todos estão no mesmo barco, mas para os jogadores mais velhos, como Roger, Rafa Nadal e Serena, é mais difícil, sem dúvida. Eu simpatizo com eles porque este é um 'inimigo' do qual você não pode se recuperar, não pode enfrentar. Você apenas espera que vá embora logo e que você possa jogar no próximo ano."

Navratilova, que jogou duplas profissionalmente até os 50 anos, acredita que Federer será o mais prejudicado na disputa direta com Nadal e o sérvio Novak Djokovic pelo recorde de títulos de Grand Slam. O suíço soma 20 troféus, contra 19 do espanhol e 17 de Djokovic.

"Novak Djokovic está logo atrás de Roger e Rafa buscando os títulos de Majors. E acho que Roger será o mais afetado porque é o mais velho. Mas terá que lidar com essa situação. Foi o que Billie Jean King chamou de 'ajuste dos campeões'", disse a checa, que foi profissional de 1975 a 2006. Federer tem no momento 38 anos, contra 33 de Nadal e 32 anos de Djokovic.

No caso de Serena, Navratilova lembrou que a americana ainda busca igualar o recorde de Grand Slam, que pertence à australiana Margaret Court. "Ele parou nos 23 e tenta chegar aos 24, quem sabe 25. É uma oportunidade perdida porque Wimbledon, cancelado, era sua melhor chance de alcançar o recorde. E ela não vai ficar mais nova com o passar do tempo. Se eu estivesse na situação dela, eu estaria ficando louca por não poder jogar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.