Masters de Tênis: torneio de privilégios

Estar entre os oito tenistas que a partir desta segunda-feira disputam a Masters Cup de Houston é fazer parte de um grupo de privilegiados. A ATP -Associação dos Tenistas Profissionais - desde que instituiu a Corrida dos Campeões, há quase quatro anos, pode-se dizer que jogou fora seu livro de regras e passou a dar regalias aos líderes. Em Houston, apenas oito jogadores dividirão um total de prêmios de mais de US$ 3,7 milhões - quase o valor pago num Grand Slam, onde estão 128 tenistas, com premiação em torno de US$ 5 milhões - e ainda dará ao campeão invicto 750 pontos, muito próximo do que acumula um vencedor de Roland Garros e Wimbledon, merecedores de mil pontos. Para justificar tantos privilégios, a Masters Cup reúne o que há de melhor. Logo na primeira rodada nesta segunda-feira, já se poderá ver em ação dois dos fortes favoritos ao título: o suíço Roger Federer diante do norte-americano Andre Agassi, em jogo marcado para as 23 horas de Brasília. A partida de abertura será às 17 horas, com Juan Carlos Ferrero diante do argentino David Nalbandian. A primeira rodada da Masters Cup ainda terá Andy Roddick diante de Carlos Moya e Guillermo Coria com Rainer Schuettler, mas só na terça-feira. O maior privilégio porém dado aos oito participantes da Masters Cup está no fato de esta competição entrar na conta do ranking como o 19º resultado. Isso é uma vantagem concedida com a exclusão de outros, pois todos os tenistas do circuito só podem somar 18 resultados para definir a classificação no ranking. Como esta ?caixinha? aos oito integrantes da Masters Cup não é pequena, os jogadores que estarão em Houston este ano, e ganharem algumas partidas, certamente passarão todo o ano seguinte entre os líderes. Isso aconteceu este ano, por exemplo, com o australiano Lleyton Hewitt. Mesmo sem fazer uma temporada brilhante estava em 8º lugar na lista de entradas e só despencou para 18º agora que os pontos do título conquistado em Xangai, ano passado, foram descontados. Os oito tenistas classificados para Houston estão divididos em dois grupos de quatro. Disputam na primeira fase um round robin - todos contra todos - e os dois primeiros classificam-se para as semifinais. Cada vitória no round robin vale US$ 120 mil - fora US$ 90 mil de prêmio de participação. Vitória nas semifinais dá US$ 370 mil e na final US$ 700 mil. O campeão invicto embolsa um cheque de US$ 1,520 milhão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.