Mello vence e garante vitória do Brasil

Preterido na primeira rodada, ao ser substituído por Flávio Saretta, Ricardo Mello transformou-se no ?salvador da pátria? e marcou o ponto da vitória do Brasil sobre o Uruguai ao vencer Marcel Felder por 3 sets a 1 - parciais de 6/7 (5/7), 6/1, 6/3 e 6/2 -, num jogo tenso, disputado sob forte pressão da torcida, no Carrasco Lawn Tennis, em Montevidéu. Com o terceiro ponto marcado por Mello, o tênis brasileiro cumpre seu papel e assegura sua ascensão para o Grupo I da Copa Davis e espera agora pela realização de chave e sorteio para conhecer seus adversários em 2006, que irão sair de uma lista de México, Peru, Venezuela e Equador, além de possivelmente Canadá, que joga o playoff do Grupo Mundial. Depois da partida de Mello, Gustavo Kuerten enfrentaria Pablo Cuevas apenas para cumprir tabela. ?Esta foi a primeira vez que fiz um jogo com tanta pressão da torcida?, disse Mello. ?Foi uma grande vitória, bastante difícil e que vai me ajudar a ganhar muito mais confiança no saibro?. O jogo foi bastante tenso, especialmente no primeiro set. O tenista uruguaio soube usar toda a força da torcida para intimidar o brasileiro. Com longas trocas de bola, Felder conseguiu marcar pontos importantes, enquanto Mello sofria para encontrar seu melhor jogo. Só mesmo depois de perder o tie break do primeiro set, Mello passou a jogar taticamente, variando seu jogo, usando todos os recursos de uma quadra de saibro para impor seu domínio e festejar um belo resultado. ?Vou sair de Montevidéu com muitas lições aprendidas?, disse Mello, que apesar de ser o número 1 do Brasil, não foi o escolhido por Meligeni para ser o titular. Para o capitão Fernando Meligeni a atitude de Mello em aceitar a reserva, e depois voltar à condição de titular para jogar com muita garra e vontade, comprovou que o atual grupo da Copa Davis é um verdadeiro time, com todos unidos num só propósito. ?O Ricardo esteve taticamente perfeito e se superou em quadra. Foi também muito forte mentalmente para não se intimidar com a pressão da torcida?, contou Meligeni. ?Temos um verdadeiro time. Afinal, todos estão prontos para jogar a qualquer momento, como fez o Guga ao participar da partida de duplas. Tanto o Mello como Saretta estiveram bem tranqüilos com as alterações, pois cada partida casa com estilo de jogador. Todos estão numa boa?. A comprovação desse clima veio com a atitude de Flávio Saretta. No banco da equipe brasileira ao lado da quadra, ele incentivava Mello, com gritos de apoio e aplausos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.