Sarah Stier/AFP
Sarah Stier/AFP

Melo e Kubot avançam à final e buscam o tri no ATP 500 de Halle

Brasileiro e polonês derrotam japonês Ben McLachlan e alemão Jan-Lennard Struff por 2 sets a 0, com um duplo 6/4 e 6/4

Redação, Estadão Conteúdo

22 de junho de 2019 | 17h19

O brasileiro Marcelo Melo e o polonês Lukasz Kubot mantiveram neste sábado a boa fase na temporada e conseguiram a classificação à final do ATP 500 de Halle, disputado em quadras de grama na Alemanha e preparatório para Wimbledon, ao vencerem com facilidade, sem dar chances de reação aos adversários, a dupla formada pelo japonês Ben McLachlan e pelo alemão Jan-Lennard Struff por 2 sets a 0 - com um duplo 6/4 e 6/4, em 1 hora e 4 minutos.

Campeões em 2017 e 2018, Marcelo Melo e Lukasz Kubot conquistaram neste sábado a 11.ª primeira vitória consecutiva na grama de Halle. Para faturarem o tri na Alemanha, a dupla cabeça de chave número 1 enfrentará na decisão a segunda parceria mais favorita ao título, que é formada pelo sul-africano Raven Klaasen e pelo neozelandês Michael Venus.

Marcelo Melo busca o terceiro título em Halle, o oitavo em ATP 500 e o 33.º de sua carreira. Ao lado de Kubot já conquistou cinco ATP 500 de um total de 12 títulos - 10 desde que formaram a parceria, em 2017, e dois anteriores, quando jogaram juntos em Viena, na Áustria, em 2015 e 2016. Este ano, será a segunda final da dupla, que foi vice-campeã no Masters 1000 de Indian Wells, nos Estados Unidos.

"Fizemos hoje (sábado) um jogo excepcional do começo ao fim. Foi muito parecido com a primeira rodada aqui. Conseguimos executar praticamente tudo o que quisemos. Aproveitamos todas as chances possíveis. Foi realmente 100%. Estamos muito felizes de passar para a final e é aproveitar toda essa energia positiva, todas essas vitórias que temos aqui, para colocar amanhã (domingo) em quadra para, quem sabe, conquistar mais um título. Foi muito legal. A quadra estava lotada e isso motiva muito a nós jogadores", afirmou o brasileiro.

NA INGLATERRA 

De volta ao circuito profissional após se recuperar de uma cirurgia no quadril realizada no final de janeiro, o britânico Andy Murray só tem o que comemorar nesta semana. Neste sábado, ao lado do espanhol Feliciano López, avançou à final da chave de duplas do ATP 500 de Queen´s, em Londres, que também é disputado em quadras de grama.

Os dois tiveram que ganhar duas vezes neste sábado. O dia começou com o restante das quartas de final contra os convidados locais Daniel Evans e Ken Skupski, que havia sido suspensa na sexta-feira por falta de luz natural quando Murray e López venciam por 6/4 e 4/5, após uma hora de disputa. A vitória no segundo set veio no tie-break por 7/3.

Mais tarde, os dois voltaram à quadra central para encarar a dupla cabeça de chave número 3 formada pelo finlandês Henri Kontinen e pelo australiano. O triunfo apertado foi por 2 sets a 1 - com parciais de 7/5, 6/7 (5/7) e 10 a 7 no match tie-break. Na decisão, vão encarar o norte-americano Rajeev Ram e o australiano Joe Salisbury, que surpreenderam os irmãos gêmeos Bob e Mike Bryan, também dos Estados Unidos, por 7/6 (7/4) e 7/6 (10/8).

Na chave de simples, a final será entre dois tenistas experientes no circuito profissional. Neste domingo, o mesmo Feliciano López, de 37 anos, enfrentará o francês Gilles Simon, de 34, depois de baterem nas semifinais deste sábado dois representantes da nova geração do tênis mundial.

O tenista da Espanha precisou se superar em quadra para ganhar de virada do canadense Felix Auger-Aliassime, quase 20 anos mais jovem, por 2 sets a 1 - com parciais de 6/7 (5/7), 6/3 e 6/4, em duelo que durou 2 horas e 16 minutos.

Gilles Simon também teve muito trabalho em sua semifinal. Pelo segundo dia consecutivo, o francês encarou uma partida extremamente longa. Depois de ficar mais de três horas para superar o compatriota Nicolas Mahut nas quartas de final, precisou de mais 2 horas e 38 minutos para bater o russo Daniil Medvedev, de 23 anos e cabeça 4, por 2 sets a 1 - parciais de 6/7 (4/7), 6/4 e 6/3.

Tudo o que sabemos sobre:
Marcelo MeloLukasz Kubottênis

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.