Melo e Kubot perdem 2 sets, mas buscam virada e avançam nas duplas de Wimbledon

Caso Marcelo Demoliner avance, haverá um duelo brasileiro nas quartas de final

Estadão Conteúdo

10 de julho de 2017 | 11h58

O brasileiro Marcelo Melo e o polonês Lukasz Kubot sofreram para confirmar favoritismo nesta segunda-feira, mas foram buscar uma grande virada para vencer o romeno Florin Mergea e o paquistanês Aisam-Ul-Haq Qureshi por 3 sets a 2, com parciais de 6/7 (3/7), 4/6, 6/1, 6/4 e 6/2, e avançar às quartas de final do torneio masculino de duplas de Wimbledon.

Cabeças de chave número 4 da mais importante competição de tênis realizada em quadras de grama, Melo e Kubot assim se credenciaram para lutar por uma vaga na semifinal em jogo contra uma parceria ainda a ser definida em confronto previsto para acontecer também nesta segunda.

E Melo poderá travar um duelo contra o seu compatriota Marcelo Demoliner nas quartas. Atuando ao lado do neozelandês Marcus Daniell, o brasileiro irá enfrentar os irmãos britânicos Ken e Neal Skupski e a dupla vencedora deste confronto irá medir forças contra Melo e Kubot.

Embalados pela conquista de torneios na Holanda (ATP 250 de Hertogenbosch) e na Alemanha (ATP 500 de Halle) nesta temporada de grama, o brasileiro e o polonês seguem forte em busca de um inédito título para eles em Wimbledon.

Melo, por sua vez, chega pela sexta vez às quartas de final do Grand Slam, no qual já foi vice-campeão em 2013, atuando com o croata Ivan Dodig, depois de ter se classificado às semifinais ao lado do seu compatriota André Sá em 2007, então em sua primeira participação no importante torneio inglês.

Já Kubot avançou pela segunda vez em sua carreira às quartas de final de duplas em Wimbledon, onde havia atingido esta mesma fase anteriormente em 2009, sendo que em 2011 chegou a disputar as oitavas de final do torneio de simples masculino do Grand Slam local.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.